Acompanhe a cotação dos produtos comercializados no Mercado do Produtor de Juazeiro

(Foto: Ascom)

Quem for ao Mercado do Produtor de Juazeiro (BA) nessa segunda-feira (20) encontrará a batatainha custaJndo R$ 3,00 o quilo. O saco com 50 kg sai a R$150,00.

A batata doce sai a R$ 1,61 também o kg, enquanto o chuchu pode ser encontrado a R$ 35,00 a caixa com 20kg. Outro item de destaque hoje é a cenoura, vendida a R$ 2,2 o kg.

Acompanhe a cotação completa de hoje.

Governo eleva salário mínimo para R$ 1.045

(Foto: Ilustração)

O presidente Jair Bolsonaro e o ministro da Economia, Paulo Guedes, anunciaram na tarde dessa terça-feira (14), em Brasília, que o salário mínimo de 2020 será elevado de R$ 1.039 para R$ 1.045. Uma medida provisória (MP) será editada pelo presidente nos próximos dias para oficializar o aumento.

“Nós tivemos uma inflação atípica em dezembro, a gente não esperava que fosse tão alta assim, mas foi em virtude, basicamente, da carne, e tínhamos que fazer com que o valor do salário mínimo fosse mantido, então ele passa, via medida provisória, de R$ 1.039 para R$ 1.045, a partir de 1º de fevereiro”, afirmou Bolsonaro no Ministério da Economia, ao lado de Guedes.

Alto no preço da carne faz IPCA fechar 2019 acima do centro da meta

(Foto: Internet)

Influenciado pela alta no preço da carne, o IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) de dezembro foi de 1,15%, o maior resultado para este mês desde 2002, segundo dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) divulgados na semana passada.

Assim, a inflação fechou o ano de 2019 em 4,31%, acima dos 4,25% previstos definida pelo CMN (Conselho Monetário Nacional), mas dentro do limite de variação de 1,5 ponto percentual.

O resultado de dezembro ficou acima dos 0,51% registrados em novembro e não tinha um registro tão alto para o último mês do ano há 17 anos, quando marcou 2,10% em dezembro de 2002.

Os preços das carnes no Brasil, com alta de 18,06%, contribuíram para esse registro e puxaram a marca de 3,38% no grupo de alimentação e bebidas, no que foi a maior variação mensal para o setor desde o mesmo dezembro de 2002.

Limite de juros para cheque especial já está valendo

(Foto: Internet)

Modalidade de crédito com taxas que quadruplicam uma dívida em 12 meses, o cheque especial terá juros limitados a partir de hoje (6). Os bancos não poderão cobrar taxas superiores a 8% ao mês, o equivalente a 151,8% ao ano.

A limitação dos juros do cheque especial foi decidida pelo Conselho Monetário Nacional (CMN) no fim de novembro. Os juros do cheque especial encerraram novembro em 12,4% ao mês, o que equivale a 306,6% ao ano.

Ao divulgar a medida, o Banco Central (BC) explicou que o teto de juros pretende tornar o cheque especial mais eficiente e menos regressivo (menos prejudicial para a população mais pobre). Para a autoridade monetária, as mudanças no cheque especial corrigirão falhas de mercado nessa modalidade de crédito.

No Panamá, Paulo Câmara busca firmar acordos comerciais e institucionais para impulsionar economia de Pernambuco

(Foto: Eduardo Machado/SEI)

O governador Paulo Câmara concluiu, na última terça-feira (10), o primeiro dia em missão na capital do Panamá, onde busca ainda mais instrumentos para impulsionar a economia de Pernambuco. Acompanhado dos secretários Bruno Schwambach (Desenvolvimento Econômico) e Rodrigo Novaes (Turismo e Lazer), além do presidente de Suape, Leonardo Cerquinho, o governador reforçou as relações do Governo de Pernambuco com a administração pública panamenha e com setores da economia local.

“Começamos nesta terça-feira uma importante agenda no Panamá. O Recife tem duas conexões semanais diretas com a Cidade do Panamá, via Copa Airlines. Queremos aproveitar essa facilidade e estreitar as relações com esse país, que ocupa uma posição geográfica e comercial estratégica na América Central”, explicou Paulo Câmara. Ele foi recebido, ainda, pelo ministro das Relações Exteriores, Alejandro Ferrer, que ressaltou o interesse dos panamenhos em parcerias nas áreas de logística, turismo, cultura e educação. “Um passo decisivo para abrir portas, que vão resultar em oportunidades para os pernambucanos”, concluiu o governador.

Prefeitura de Petrolina antecipa segunda parcela do 13º para esta quinta-feira

(Foto: ASCOM)

Os servidores municipais de Petrolina (PE) chegam às festas de fim de ano comemorando a antecipação da segunda parcela do 13º anunciada pelo prefeito Miguel Coelho para esta quinta-feira (12).

A gratificação vai injetar mais de R$ 15 milhões na economia do município. O valor será somado ainda à folha salarial de dezembro – de mais de R$ 29 milhões – o que representa ao todo quase R$ 46 milhões que deve aquecer o setor econômico da cidade.

“A gente sabe que é um dever da prefeitura pagar em dia, mas também estamos vendo centenas de cidades com dificuldade para manter as contas equilibradas. Aqui em nosso município, desde o começo, estamos pagando antecipado tanto os salários como o décimo, mostrando que a equipe da Prefeitura de Petrolina tem atuado com responsabilidade e planejamento”, reforça o prefeito Miguel Coelho.

Crise: 160 mil pessoas já abriram mão do plano de saúde em Pernambuco

(Foto: Internet)

A queda no número de empregos formais tem atingido diretamente as operadoras de planos de saúde. De acordod com a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), nos últimos cinco anos, só em Pernambuco, 160 mil pessoas deixaram de ter a cobertura dos planos de saúde.

No Brasil, o número de pessoas que abriram mão do plano de saúde já chega a 3 milhões. Cerca de 60% dos contratos de planos de saúde hoje são empresariais, um tipo de benefício oferecido pela empresa ao seu empregado. O dado é da Fenasaúde, entidade que reúne 15 operadoras de planos privados. Juntas, atendem 26 milhões de pessoas.

Setor agropecuário prevê faturamento de aproximadamente R$ 670 bilhões em 2020

(Foto: Internet)

A Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) prevê uma alta de 9,8% na receita do setor em 2020, na comparação com 2019. A expectativa é que o Valor Bruto de Produção (VBP), índice que mede a receita “dentro da porteira”, totalize cerca de R$669,7 bilhões no próximo ano. Para o Produto Interno Bruto (PIB) do setor a previsão é de um crescimento de 3% em 2020.

Segundo a CNA, o carro-chefe do faturamento será a agropecuária, com previsão de crescimento de 14,1%, equivalente a R$ 265,8 bilhões. Na avaliação da CNA, a perspectiva de aumento da produção fará com que 2020 seja considerado “o ano do setor”.

Para a produção de carne bovina, a expectativa é de expansão de 22,2% no VBP, atingindo receita de R$129,1 bilhões. Já para os suínos, espera-se aumento de 9,8% do VPB. A pecuária de leite deverá crescer 7,5% o VPB; e o frango, 7,1%.

PIB cresce 0,6% no terceiro trimestre, revela IBGE

(Foto: Internet)

O Produto Interno Bruto (PIB), que é a soma de todos os bens e serviços produzidos no país, cresceu 0,6% no terceiro trimestre deste ano, na comparação com o trimestre anterior.

O resultado foi divulgado hoje (3), no Rio de Janeiro, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (BGE). Na comparação com o terceiro trimestre de 2018, o PIB teve crescimento de 1,2%.

Guedes admite que reforma administrativa ficará para 2020

(Foto: Arquivo/ Agência Brasil)

A reforma administrativa preparada pela equipe econômica do Governo Federal deverá ficar para 2020. O ministro da Economia, Paulo Guedes acredita que o projeto somente entrará em pauta no próximo ano, por decisão do presidente da República Jair Bolsonaro.

“Realmente acreditava que a reforma seria encaminhada ao Congresso ainda nesta semana ou na próxima e que conseguiria convencer o presidente a acelerar o processo. Mas o presidente achou melhor dar um respiro para o Congresso e deixar para enviar a reforma administrativa no começo do ano que vem”, disse.

Mesmo com o adiamento da proposta, Guedes aprovou as medidas da pasta e acredita que o Brasil caminha no caminho correto. (Com informações do Correio Braziliense).

Decreto libera recursos do Orçamento contingenciados

(Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil)

Foi publicado, hoje (22), no Diário Oficial da União o decreto relativo ao Relatório Extemporâneo de Avaliação de Receitas e Despesas de Novembro de 2019, com liberação de todas as despesas discricionárias (não obrigatórias) contingenciadas (bloqueadas) em meses anteriores.

Na semana passada, o governo anunciou o descontingenciamento (desbloqueio) de R$ 13,976 bilhões do Orçamento de 2019. O órgão que teve a maior liberação, de R$ 3, 473 bilhões, foi o Ministério da Defesa, seguido pela Educação, R$ 2,695 bilhões, e Desenvolvimento Regional, R$ 1,905 bilhão.

Prefeitura de Juazeiro realiza mutirão para regularização de dívidas tributárias

Entre os tributos incluídos no Programa estão o IPTU e o ISS, por exemplo.

Entre os dias 26 e 28 de novembro, das 8h às 17h, a Prefeitura de Juazeiro promove o Mutirão Acordo Legal. A iniciativa acontece na Praça Barão do Rio Branco, ao lado do Paço Municipal, e visa facilitar o acesso da população ao Programa de Parcelamento Incentivado (PPI), que prevê descontos de até 100% em juros, multas e honorários advocatícios para o contribuinte regularizar suas dívidas tributárias com a receita municipal.

“Vamos contar com a participação de servidores da SEFAZ e da Procuradoria Geral do Município, que estarão prontos para atender pessoas físicas e jurídicas, com débitos relacionados a diversos tributos, inclusive aqueles já inscritos em dívida ativa ou ajuizados” explica o secretário da Fazenda municipal, Edvan Gonçalves.

Feirão de Renegociação de Dívidas começa nesta quarta, em Petrolina

De amanhã a sexta-feira (20 a 22) o Centro de Convenções de Petrolina sediará o Feirão de Renegociação de Dívidas. O evento, realizado pela Prefeitura com apoio de outras oito instituições. Durante esses três dias, a população que tem algum débito em bancos ou empresas de energia, por exemplo, tem uma ótima oportunidade para se resolver com as instituições.

Para negociar os débitos basta o petrolinense levar documentação pessoal: RG, CPF e comprovante de residência. Se tiver o informativo de dívida, o Prodecon orienta que também apresente o documento. No Feirão estão confirmadas a presença dos bancos Santander, Caixa Econômica Federal, Banco do Brasil, Bradesco, Sicoob, Sicredi, além da Celpe, Agência Municipal do Empreendedor (AGE), CDL e Sindilojas.

O Feirão acontece das 9h às 20h, em parceria da Secretaria de Desenvolvimento Econômico e Turismo (Sedetur), em parceria com o Programa Municipal de Defesa do Consumidor (Prodecon) de Petrolina.

Com taxa Selic em queda, poupança pode passar a render menos que a inflação

(Foto: Internet)

Com a taxa básica de juros, a Selic, em queda, os rendimentos da poupança devem perder para a inflação. Isso pode acontecer porque os rendimentos da poupança são 70% da Selic, mais a Taxa Referencial (TR), que está zerada.

Atualmente, a Selic está em 5% ao ano e o Banco Central já sinalizou que a taxa deve cair em dezembro para 4,5% ao ano e encerrar 2020 nesse patamar. Com isso, os rendimentos da poupança vão passar de 3,5% para 3,15% ao ano. Já a inflação, calculada pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), deve fechar 2019 em 3,31% e 2020, em 3,60%, de acordo com estimativas do mercado financeiro.

Se for considerada a previsão mensal, a inflação deve chegar a 0,36%, em novembro, e a 0,35%, em dezembro, enquanto a poupança vai render 0,29% ao mês, com a Selic em 5%, e 0,26% ao mês, se a taxa básica cair para 4,5% ao ano.

Os investidores que têm poupança antiga e não retiraram os recursos recebem rendimentos maiores. Isso porque todos os depósitos feitos até 3 de maio de 2012 rendem 0,5% ao mês (ou 6,17% ao ano), mais TR. A partir de 4 de maio de 2012, a nova regra de cálculo da poupança passou a ser 70% da Selic mais TR, sempre que a taxa estiver abaixo ou igual a 8,5% ao ano. Acima de 8,5% ao ano, o rendimento é 0,5% ao mês mais TR.

O diretor executivo de Estudos e Pesquisas Econômicas da Associação Nacional dos Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade (Anefac), Miguel José Ribeiro de Oliveira, afirma que essa nova realidade de a poupança render pouco veio para ficar. “É uma realidade porque os juros vão ficar baixos. Vão cair de novo agora no mês de dezembro, possivelmente para 4,5% ao ano. Isso quer dizer que a poupança vai render 3,15% ao ano. E já começa a ser um problema porque esse rendimento deve ser menor que a inflação”, disse.

“Vamos passar aqui no Brasil pelo que aconteceu nos Estados Unidos e na Europa. Nessas economias, os juros eram altos. As pessoas aplicavam em renda fixa. Havia investimentos garantidos e altos. Só que as taxas de juros foram caindo e aí reverteu a situação – a maioria dos americanos e europeus atualmente aplica na bolsa de valores. Vamos ter esse cenário no Brasil – quem quer maior rentabilidade vai ter que assumir risco”, disse.

Com saída da Avianca, preço das passagens teve aumento médio de 22% no país

2019 não tem sido um bom ano para quem precisa viajar de avião. E um levantamento feito pelo Metrópoles confirmou um fato que muitos imaginavam: com a saída da Avianca, o valor das passagens disparou no país. Houve um aumento de 22,39% entre o primeiro período do ano, quando a empresa ainda operava e os meses de abril e maio, quando deixou o mercado.

O levantamento foi feito com base em dados fornecidos pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), que “abrangem todas as passagens vendidas ao público adulto em geral, excluindo aquelas adquiridas com descontos restritos a grupos específicos, programas de milhagem, entre outras condições”.

Um comparativo: no primeiro trimestre de 2019, o preço médio das passagens das quatro principais companhias aéreas brasileiras – Avianca, Azul, Gol e Latam – era de R$ 368,20. Já em abril e maio, o preço médio subiu para R$ 450,64.

 Houve um salto considerável na Azul após a saída da Avianca. O preço médio foi reajustado em 87,27%, na Gol o aumento foi de 79,95% e na Latam, 77,36%. Na visão da Anac, a saída da Avianca “é um dos fatores para o aumento das tarifas, pois o mercado precisa recompor a oferta de voos à demanda”.

123