Policiais Civis de Pernambuco ameaçam parar durante o carnaval caso não haja negociação salarial

Policiais em passeata no Recife. (Foto: Filipe Jordão/JC Imagem)

Nessa terça-feira (18), os policiais civis de Pernambuco realizaram uma passeata em Recife até o Palácio Campo das Princesas, onde foram recebidos por uma comitiva do Governo Estadual para realização de uma negociação salarial. A liderança do movimento, Áureo Cisneiros, presidente do Sindicato dos Policiais Civis (Sinpol), chegou ao acordo de não paralisar durante o Carnaval. Com isso, as negociações devem ser retomadas no dia 11 de março.

No entanto, segundo Áureo, se o governo se eximir de abrir negociação com a categoria, os policiais devem parar durante os festejos carnavalescos. “A gente queria conversar com o governador, ele foi eleito para resolver os problemas do estado. Segurança Pública não é problema? A população está clamando por mais segurança pública e o governo inventa uma agenda, em uma questão tão importante dessas, que é ficar sem a Polícia Civil no Carnaval?”, disse.

LEIA MAIS

Líder da greve de 2018 pede que caminhoneiros não trabalhem nesta quarta-feira

(Foto: Luciney Araújo/ TV Gazeta)

O líder caminhoneiro Wallace Landim, mais conhecido como “Chorão”, divulgou vídeos nas redes sociais pedindo que a categoria não trabalhe nesta quarta-feira (19). O movimento é convocado em defesa da tabela do frete, que teve seu julgamento no Supremo Tribunal Federal adiado pela segunda vez a pedido do governo.

LEIA TAMBÉM

Caminhoneiros ameaçam parar novamente nesta semana

Chorão foi um dos mobilizadores das paralisações de maio de 2018. No ano passado, vinha se colocando contra os atos convocados por outros caminhoneiros e defendendo a negociação com o governo.

LEIA MAIS

Escolas municipais de Orocó seguem sem aulas e professores fazem manifestação pelas ruas da cidade

(Foto: Reprodução/WhatsApp)

Os professores da rede municipal de ensino de Orocó (PE) estão em greve desde o último dia 10 de fevereiro. A classe reivindica a reversão da medida tomada pela gestão municipal, que resultou no rebaixamento total dos salários dos servidores oriundos do último concurso públicos, além do reajuste das tabelas de vencimentos para o ano de 2020.

De acordo com o Sindicato dos Trabalhadores em Educação de Orocó (SINTEO), a prefeitura foi procurada várias vezes, mas não deu nenhuma resposta favorável às reivindicações da categoria. Ainda segundo o Sindicato, a greve continuará, até que o município atenda as demandas dos professores municipais.

LEIA MAIS

Sindicato dos técnicos de enfermagem acata decisão da Justiça e suspende greve em Pernambuco

(Foto: Júlio Gomes/LeiaJá Imagens)

Os profissionais da saúde de Pernambuco realizaram uma assembleia na sexta-feira (14) e decidiram acatar a decisão do Tribunal de Justiça do Estado (TJ-PE). Dessa forma, o Sindicato Profissional dos Auxiliares e Técnicos em Enfermagem suspenderam a greve deflagrada no dia 30 de janeiro.

LEIA TAMBÉM

Justiça determina fim da greve dos enfermeiros em Pernambuco

Contudo, o grupo já definiu um novo calendário de manifestações. O TJ-PE decidiu na quarta-feira (12) o retorno imediato das atividades profissionais, além de ter estipulado multa de R$ 30 mil por dia, caso não houvesse cumprimento por parte dos servidores.

Seguindo o calendário das manifestações, o presidente do sindicato, Francis Herbert, garante que não haverá prejuízo a população. “Vamos continuar os atos sem prejudicar a população. Nossos protestos são pacíficos e têm como objetivo mostrar ao povo o tratamento absurdo que estamos recebendo desse governo“, disse. (Com informações da Folha de Pernambuco).

Justiça determina fim da greve dos enfermeiros em Pernambuco

(Foto: Ilustração)

O desembargador do Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE) Evandro Magalhães Melo determinou, na noite dessa quarta-feira (12), o retorno imediato ao trabalho dos servidores da saúde em greve desde 30 de janeiro.

A decisão, dirigida ao Sindicato dos Enfermeiros do Estado de Pernambuco (Seepe) e ao Sindicato Profissional dos Auxiliares e Técnicos em Enfermagem de Pernambuco (Satenpe), também proibiu o bloqueio de via pública, como vinha ocorrendo durante os protestos na Avenida Agamenon Magalhães, em Recife.

LEIA MAIS

​​​​​Petroleiros iniciam greve; Petrobras quer garantir abastecimento

(Foto: Heudes Régis/ JC Imagem)

Mais de 7 mil funcionários em dez estados participam da greve dos petroleiros, iniciada na madrugada do último sábado (1º), segundo a Federação Única dos Petroleiros (FUP). Os grevistas representam 12% dos 55 mil empregados da Petrobras.

De acordo com a FUP, a mobilização atinge 15 unidades da empresa e subsidiárias, como a Transpetro, a Refinaria Duque de Caxias (Reduc) e a Refinaria do Nordeste (RNEST). Em Pernambuco foram atingidas pela paralisação a Refinaria Abreu e Lima (Rnest) e o Terminal Aquaviário de Suape (TA Suape).

A Petrobras não confirmou o número de funcionários que aderiram ao movimento, mas informou, por meio de nota, que tomou “as providências necessárias para garantir a continuidade da produção de petróleo e gás e o processamento em suas refinarias, bem como o abastecimento do mercado de derivados e as condições de segurança dos trabalhadores e das instalações”.

A greve, por tempo indeterminado, foi aprovada pelos 13 sindicatos filiados à FUP. De acordo com o diretor da federação, Gerson Castelano, o movimento contesta as mil demissões feitas pela Petrobras na Fábrica de Fertilizantes Nitrogenados do Paraná (Fafen-PR), sem respeitar o acordo coletivo de trabalho.

LEIA MAIS

Técnicos e auxiliares em enfermagem da rede estadual decretam greve nesta quinta

A entidade garante que haverá efetivo mínimo exigido pela Legislação nas urgências e emergências. (Foto: Ilustração)

Nesta quinta-feira (30), os trabalhadores da enfermagem de nível médio que atuam na rede estadual irão decretar greve geral por tempo indeterminado. De acordo com a categoria, o motivo da paralisação seria a falta de diálogo do Governo de Pernambuco.

Segundo o Sindicato Profissional dos Auxiliares e Técnicos em Enfermagem de Pernambuco (SATENPE), será realizado um ato em frente ao Hospital da Restauração, área central do Recife, a partir das 9h.

A mobilização é para cobrar um posicionamento do Governo do Estado quanto às reivindicações da categoria que, até o momento, não recebeu resposta mesmo após uma paralisação de advertência de 24h, que ocorreu em dezembro do ano passado.

LEIA MAIS

Diretor-geral da Falcão Real diz que empresa é alvo de perseguição e greve de funcionários é decisão isolada do Sindinter

(Foto: Internet)

Após a publicação da matéria sobre uma possível greve de funcionários das empresas de transporte Falcão Real e São Luiz, o Blog Waldiney Passos foi procurado pela Falcão Real. Segundo o Diretor-geral Lázaro Silva, a greve é uma decisão isolada do Sindicato dos Trabalhadores em Transporte Intermunicipal no Estado da Bahia (Sindinter).

Uma decisão isolada do Sindinter através do seu presidente. Nossa empresa não tem nenhum afiliado ao Sindicato, não podemos obrigar e tão pouco descontar do salário”, afirmou Lázaro Silva.

Ainda de acordo com Lázaro Silva, a empresa Falcão Real é alvo de perseguição. ” O nível de perseguição desleal que está ocorrendo desde do início do ano para tomar a nossas linhas. Tudo acontece apenas aqui em pró de favorecimento de um grupo de Grandes Empresas”, argumentou o gestor.

LEIA MAIS

Possível greve de funcionários da Falcão Real e São Luiz deve afetar linhas de ônibus de Juazeiro a partir de amanhã

(Foto: Internet)

Funcionários das empresas Falcão Real e São Luiz anunciaram que vão parar as atividades por tempo indeterminado, a partir da meia-noite de hoje (19). Segundo o presidente do Sindicato dos Trabalhadores Intermunicipais do Estado da Bahia [Sindinter], Euvaldo Alves de Souza, a categoria cobra a regularização do pagamentos dos salários atrasados, bem como dos tíquetes-alimentação.

Com a greve, as viagens para a região norte da Bahia devem ser afetadas a partir de amanhã (20). Ainda segundo o sindicalista, mesmo com o anúncio da greve, os representantes dos trabalhadores afirmam que acreditam em um acordo, o que pode suspender a paralisação. “A gente vêm tentando negociar há quatro, cinco meses. Mas volto a dizer que a direção do sindicato está aberta a uma conversa. Só depende da empresa”, concluiu.

LEIA MAIS

Com categoria dividida, paralisação dos motoristas de caminhão não afeta trânsito em Pernambuco

Categoria está dividida sobre movimento (Foto: Internet)

Os rumores de uma paralisação nacional dos motorista de caminhão no país não foi sentida em Pernambuco. Prevista para iniciar nessa segunda-feira (16), a mobilização estava sendo organizada via WhatsApp, mas até o início da manhã de hoje, nenhuma rodovia estadual ou federal registrava problemas.

De acordo com a Polícia Rodoviária Federal, em Pernambuco não houve registro de piquetes ou obstruções nas estradas federais. Mesmo com apoio da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Transportes e Logísticas, a paralisação não é unanimidade entre os motoristas.

Diferentemente da mobilização no governo passado, há condutores que não apoiam a pauta de reivindicação, composta por exigência da publicação do novo Código Identificador da Operação de Transportes (Ciot) e o reajuste do piso mínimo do frete. (Com informações do JC Online).

Sindicato anuncia paralisação de médicos no Hospital Regional, mas Direção da unidade afirma que atendimento segue normalmente

O Sindicato dos Médicos do Estado da Bahia (Sindimed) anunciou na tarde de quarta-feira (23) a paralisação de todas as atividades dos profissionais, por tempo indeterminado. A categoria cobra o pagamento do salário de setembro e quer melhores condições de trabalho.

Contudo, a Direção do Hospital e a Secretaria de Saúde da Bahia (Sesab) afirmam que não há movimento grevista. Em contato com o Blog, a Direção do HRJ disse que “o atendimento na unidade está normal” nessa quinta-feira (24).

Por nota, a Sesab reforçou o posicionamento do HRJ e confirmou ter feito o repasse de R$ 5 milhões em 18 do mês passado. “O último pagamento, no valor de R$ 5 milhões, foi realizado no dia 18 de setembro.  O atendimento na unidade permanece normal”, destaca o Governo da Bahia.

Operação do MP interdita todas as unidades da Aspra na Bahia

Ninguém da Aspra em Juazeiro se manifestou sobre ação (Foto: Reprodução/Google Maps)

A queda de braço entre a Polícia Militar da Bahia e a Associação dos Policiais e Bombeiros Militares (Aspra) ganhou mais um capítulo nessa quarta-feira (16). O Ministério Público do Estado determinou o fechamento de todas as unidades da Aspra, da capital ao interior.

LEIA TAMBÉM:

Juazeiro: CPRN classifica como “fake news” boato sofre aquartelamento de policiais

Juazeiro: cerca de 100 Policiais Militares estão aquartelados e convocam tropa para deliberação definitiva

Associação dos PMs da Bahia deflagra greve; mobilização em Juazeiro começará hoje

A decisão, segundo o MP-BA, faz parte de uma operação deflagrada hoje e tem respaldo da Secretaria de Segurança Pública (SSP-BA). Estão sendo cumpridos mandados de busca e apreensão nas unidades. Também foi determinado o bloqueio das contas da Aspra.

LEIA MAIS

Governo da Bahia deve iniciar negociação com Policiais Militares ainda nesta quinta-feira

Em entrevista ao Blog Waldiney Passos, o Soldado Diego, Coordenador da Associação de Policiais e Bombeiros e de seus familiares do Estado da Bahia (ASPRA) em Juazeiro (BA), anunciou que o Governo do Estado deve iniciar o processo de negociação com a categoria, ainda na tarde desta quinta-feira (10), visando acabar com o movimento grevista iniciado na última terça-feira (8), em todo o estado baiano.

LEIA TAMBÉM:

Juazeiro: cerca de 100 Policiais Militares estão aquartelados e convocam tropa para deliberação definitiva

“O Governo acabou de ligar para o movimento e disse que vai iniciar as negociações às 17h. Em Juazeiro teremos assembleia no Clube de Cabos e Soldados, às 18h, assim como em todas as cidades da Bahia que tem sede da ASPRA. Vamos decidir se acatamos ou não a proposta do governo, e se vão todos aderir ou não ao movimento”, disse Diego.

Ainda de acordo com o Coordenador da ASPRA Juazeiro, Policiais Militares seguem aquartelados no Clube de Cabos e Soldados. A expectativa da Associação Regional é unir o maior número possível de PM’s em assembleia, para acompanhar a negociação.

Juazeiro: cerca de 100 Policiais Militares estão aquartelados e convocam tropa para deliberação definitiva

(Foto: Ilustração)

Na última terça-feira (8), a Associação de Policiais e Bombeiros e de seus familiares do Estado da Bahia (ASPRA) deflagrou greve. Desde ontem, as lideranças do movimento intitulado como “Segurança por Segurança” pedem aos policiais que permaneçam nos quartéis e não saiam para trabalhar.

De acordo com a ASPRA, há três meses a categoria realiza assembleias e não consegue acordo com o Governo do Estado da Bahia. Entre as demandas, a categoria cobra a regulamentação dos direitos dos policiais e bombeiros, além do plano de carreira.

Neste exato momento, cerca de 100 Policiais Militares de Juazeiro estão aquartelados no Clube de Cabos e Soldados, localizado no bairro Alto da Aliança. Em reunião realizada, na tarde de hoje (9), liderada pela ASPRA, a categoria optou pelo aquartelamento dos PM’s, e “convoca toda a tropa para reunião às 19h, quando acontecerá deliberação definitiva em conjunto com todas as cidades da Bahia”, diz informativo divulgado há pouco.

Outro lado

O Comando Geral da PM-BA afirmou que a greve foi “decretada por um deputado estadual” e que trata-se de “um movimento político sem adesão da PM”. O governador da Bahia, Rui Costa (PT) também negou a greve durante uma live.

O Blog Waldiney Passos entrou em contato com o Comando de Policiamento Regional Norte (CPRN), para saber se o movimento grevista afetou o policiamento em Juazeiro, mas até o momento não obtivemos resposta.

Associação dos PMs da Bahia deflagra greve; mobilização em Juazeiro começará hoje

(Foto: Ilustração)

A Associação de Policiais e Bombeiros e de seus familiares do Estado da Bahia (ASPRA) deflagrou greve na terça-feira (8) e as lideranças do movimento pedem aos policiais que fiquem nos quartéis para não trabalhar. De acordo com a ASPRA, há três meses a categoria realiza assembleias e não conseguiu acordo com o Governo da Bahia.

Os PMs intitulam a manifestação como “Segurança por Segurança” e entre as demandas, cobram a regulamentação dos direitos dos policiais e bombeiros, além do plano de carreira. O movimento grevista, contudo, não tem reconhecimento do Comando Geral da Polícia Militar e do Governo da Bahia.

Comando não reconhece

Em nota o Comando afirmou que a greve foi “decretada por um deputado estadual” e que trata-se de “um movimento político sem adesão da PM”. Ainda segundo o Comando Geral, a ASPRA quer “criar clima de insegurança”.

O comandante regional da PM, coronel Anselmo Brandão gravou um vídeo e criticou a ação da ASPRA. Confira:

LEIA MAIS
123