Professores da rede estadual de Pernambuco suspendem greve e devem retormar aulas presenciais

(Foto: Sandy James/Esp. DP)

Em reunião virtual com mais de 1.300 participantes, na manhã desta sexta-feira (23), os trabalhadores e trabalhadoras da Educação no Estado de Pernambuco suspenderam a Greve e retornam as salas de aulas na próxima segunda-feira (26).

A categoria não concorda com o retorno das aulas presencias imposto pelo governo de Pernambuco, sob a alegação de que as escolas não oferecem condições para o cumprimentos das normas sanitárias para evitar a contaminação do novo coronavírus e por isso resolveram não voltar ao trabalho.

LEIA MAIS

Justiça dobra multa ao Sintepe por descumprimento de liminar que proíbe greve

Tribunal de Justiça de Pernambuco. (Foto: internet)

O Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE) atendeu uma solicitação da Procuradoria Geral do Estado de Pernambuco (PGE-PE) que apresentou informando a deflagração da greve pelo Sindicato dos Trabalhadores em Educação de Pernambuco (Sintepe), a partir da 0h de 21 de outubro, em descumprimento a liminar anterior que proibiu a paralisação.

Com isso, o desembargador Fábio Eugênio Dantas Oliveira Lima determinou, no início da tarde desta terça-feira (20), a majoração da multa diária por descumprimento da decisão para R$ 100 mil e a advertência imediata aos dirigentes da entidade sindical.

“Majoro a multa diária por descumprimento para R$ 100.000,00 (cem mil reais), sem prejuízo de eventual configuração de crime de desobediência. Fica o Sindicato dos Trabalhadores em Educação de Pernambuco – SINTEPE advertido, ainda, que o descumprimento da decisão judicial implicará em ato atentatório à dignidade da justiça, fazendo incidir a multa prevista no art. 77, IV, §5º, do CPC/15”, escreveu o desembargador.

Em sua decisão, destacou que os documentos apresentados pela PGE-PE e o ofício enviado pelo próprio Sintepe “evidenciam o inequívoco descumprimento da decisão antecipatória, ao anunciar a decretação da greve, com início às 0h do dia 21/10/2020”.

Decisão De Multa Ao Sintepe

Professores e Secretaria de Educação não chegam a acordo e greve continua em Pernambuco

(Foto: Internet)

Após mais de quatro horas de negociação, nessa segunda-feira (28), os representantes do Sindicato dos Trabalhadores em Educação de Pernambuco (Sintepe) e a Secretaria Estadual de Educação não chegaram a um acordo e a greve dos professores deve continuar e pode chegar a uma paralisação nesta quarta-feira (30), quando haverá assembleia.

Segundo o presidente do Sintepe, Fernando Melo, permanece o sentimento de insegurança no que diz respeito às condições estruturais das escolas estaduais no contexto da pandemia de covid-19. Uma nova conversa foi marcada para esta terça-feira (29).

LEIA MAIS

Professores da rede estadual de Pernambuco decretam estado de greve

(Foto: Inernet)

Professores da rede estadual de Pernambuco decidiram, nesta quinta-feira (24), em assembleia virtual do Sindicato de Trabalhadores em Educação de Pernambuco (Sintepe), decretar estado de greve e não retornar às atividades presenciais.

Para a categoria, não há a segurança necessária à reabertura das escolas. A retomada está programada para acontecer de forma gradual, a partir do dia 6 de outubro. Neste primeiro momento, está autorizado o retorno dos alunos do 3º ano.

A assembleia, que contou com a participação de mais de mil professores, aconteceu após reunião da categoria com o secretário de Educação de Pernambuco, Fred Amancio, no início da tarde.

LEIA MAIS

Sindicato dos Correios lamenta decisão do TST, mas retomará os trabalhos em Pernambuco

TST foi favorável ao Governo Federal (Foto: Internet)

O Tribunal do Superior do Trabalho (TST) determinou o fim das greves dos Correios. E os trabalhadores criticaram tal decisão, pois no fim, acabaram ainda mais enfraquecidos. É o que afirma o presidente do Sindicato dos Trabalhadores dos Correios, Roberto Alexandre, que foi entrevistado no programa Super Manhã com Waldiney Passos nessa terça-feira (22).

“Os ministros votaram junto com o governo e com a direção da empresa. A população precisa entender que fizemos [a greve] não por aumento de salários ou outra coisa qualquer e sim para manter nossos direitos. Foram 37 dias de greve e foram retiradas quase 40 cláusulas do acordo coletivo, a empresa queria 70”, disse a Rádio Jornal.

Roberto lembrou que, mesmo com a derrota no TST, a categoria não teve seu movimento considerado abusivo. “A greve não foi considerada abusiva. Os dias parados, metade será compensando e a outra metade, descontado do contracheque. O que nós ganhamos foi só 2,60% e algumas cláusulas do acordo coletivo. De resto, o TST tirou tudo da gente e determinou a volta do trabalho hoje”, explica.

O retorno ao trabalho será confirmado hoje (22), durante assembleia marcada para 14h na capital Recife. Ainda segundo Roberto, desde 2011 os Correios não fazem concurso público para contratar mais funcionários e além disso, a cada ano, perdem mais direitos. “Infelizmente foi uma derrota aos trabalhadores. Benefícios como licença-maternidade, vale-cultura e adicional de 15% pelo trabalho no fim de semana foram retirados. Lutamos de cabeça erguida, mas os ministros votaram junto com a empresa“, ressalta.

Correios rejeitam proposta do Tribunal Superior do Trabalho, e greve dos funcionários continua

(Foto: Arquivo)

Os Correios rejeitaram a proposta de conciliação com os trabalhadores, apresentada pelo Tribunal Superior do Trabalho (TST), na noite desta quinta-feira (27). Mesmo com a categoria não solicitando mais o aumento salarial, nem dos benefícios, a direção da estatal se negou a manter o atual Acordo Coletivo de Trabalho (ACT) por mais um ano. Assim, a greve, que começou no dia 17 de agosto, continua.

A proposta inicial de acordo apresentada pela Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (ECT), segundo os trabalhadores, retira 70 cláusulas do atual ACT, acabando com os 30% do adicional de
risco; auxílio creche/babá; 70% sobre férias; indenização por morte e auxílio para lhos com necessidades especiais; pagamento de horas extras, e entre outros direitos dos trabalhadores da ativa e aposentados. A estatal também propôs equiparar os direitos dos trabalhadores com os da CLT (Consolidação das Leis do Trabalho).

Os funcionários protestam também contra a retirada de direitos, a privatização da empresa e a ausência de medidas para proteger os empregados da pandemia do novo coronavírus. O Sindicato dos Trabalhadores da Empresa de Correios e Telégrafos em Pernambuco (SINTECT-PE), que representa a categoria no Estado, informou que enquanto um acordo não for firmado, a paralisação vai continuar.

Na negociação de ontem a noite, a vice-presidência do TST enviou a proposta dos trabalhadores à ECT, que a rejeitou prontamente. Caso um acordo não seja consumado, o Tribunal deve julgar o impasse. “A vice-presidência do TST apresentou uma proposta, que seria a manutenção ACT por mais um ano, porém, sem reajustes econômicos; nem nos salários, nem em nossos benefícios. A ECT recusou a proposta”, informou o sindicato em comunicado.

Com informações do NE10

Funcionários dos Correios de Pernambuco e de outros estados decretam greve por tempo indeterminado

Trabalhadores dos Correios de Pernambuco, de outros estados do Brasil e do Distrito Federal aprovaram por unanimidade, na noite desta segunda-feira (17) o início de um movimento grevista permanente da categoria. A greve teve início às 22h e não tem data para se encerrar. Em todo o Brasil, cerca de 100 mil funcionários aderiram ao movimento. Eles protestam contra a retirada de direitos trabalhistas, a privatização da empresa e a ausência de medidas para proteger os empregados da pandemia do novo coronavírus.

Apresentada pela Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (ECT), a nova proposta do Acordo Coletivo de Trabalho (ACT), segundo os trabalhadores, retira 70 cláusulas do atual ACT, acabando
com os 30% do adicional de risco; auxílio creche/babá; 70% sobre férias; indenização por morte e auxílio para filhos com necessidades especiais; pagamento de horas extras, e entre outros direitos
dos trabalhadores da ativa e aposentados. O governo federal também propôs equiparar os direitos dos trabalhadores com os da CLT (Consolidação das Leis do Trabalho). Em nota, a federação afirma ter sido surpreendida com a revogação, a partir de 1º de agosto, do atual acordo coletivo, cuja vigência vai até 2021. Segundo a entidade, também estão na lista de direitos retiradas o vale-alimentação, a licença-maternidade de 180 dias, além de pagamentos como adicional noturno

Para o secretário administrativo do Sintec-PE, Rinaldo Nascimento, “o trabalhador dos Correios, se isso acontecer, vai pagar para trabalhar”. O secretário reclamou também dos altos salários na cúpula da estatal e alegou que o trabalhador da empresa não tem privilégios. “Nós somos a estatal que tem o menor piso salarial. Nosso piso hoje está em cerca de R$ 1.700 e o ‘cara’ vem dizer que
nós temos privilégios. É lamentável a postura do presidente dos correios e do governo Bolsonaro”, disse.

Ao UOL, o presidente dos Correios, general Floriano Peixoto, afirmou que “testemunhamos uma tentativa de confundir os empregados acerca de temas sobre os quais a direção dos Correios não tem influência: os estudos de desestatização são conduzidos pelos órgãos competentes e baseados em minucioso planejamento que visa, ao fim e ao cabo, à determinação da melhor alternativa para a empresa e para a sociedade”.

Em nota, os Correios informaram ter um plano de continuidade de negócios para manter o atendimento à população em qualquer situação adversa. A estatal informou que o objetivo primordial é cuidar da sustentabilidade financeira da empresa, de forma a retomar a capacidade de investimento e sua estabilidade, e manter os empregos dos funcionários.

Trabalhadores dos Correios de Pernambuco decretam greve

Caruaru, Petrolina e Recife aprovaram greve (Foto: Breno Fortes)

Os funcionários dos Correios de Pernambuco estão em greve. A paralisação foi aprovada por unanimidade na noite de quinta-feira (23), em assembleia geral realizada no Recife. Além dos trabalhadores da capital, estiveram presentes no encontro os de Caruaru e Petrolina.

O Sindicato dos Trabalhadores dos Correios e Telégrafos (SINTECT-PE) ainda não decidiu uma data para discutir uma possível greve nacional. A assembleia de ontem também teve em votação uma proposta do Governo Federal para Acordo Coletivo de Trabalho (ACT).

A Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (ECT) quer a retirada de 70 cláusulas, acabar com 30% do adicional de risco, auxílio creche/babá, 70% sobre férias e outros direitos trabalhistas, proposta rejeitada pelos trabalhadores. (Com informações do JC Online).

Caminhoneiros de Pernambuco descartam paralisar atividades durante pandemia

Categoria continuará trabalhando durante quarentena (Foto: Internet)

Nos últimos dias começaram a circular áudios nos grupos de WhatsApp de supostos caminhoneiros convocando uma paralisação nacional a partir da próxima terça-feira (7). Isso resultaria, segundo um motorista, no desabastecimento dos mercados, feiras e atacados.

Em Pernambuco a categoria seguirá trabalhando. É o que garante o presidente do Sindicato dos Transportadores Autônomos de Cargas de Pernambuco (Sintracape), Wilton Nery. Ele garante que, apesar das dificuldades durante a quarentena nada muda na rotina deles.

“Espalhar estes boatos, neste momento, é um ato de inconsequência de gente que só quer disseminar o pânico. Não há esta possibilidade”, afirma. (Com informações do Diário de Pernambuco).

Vigilantes voltam ao trabalho, mas bancos da Bahia continuam sem atender o público

Vigilantes voltam ao trabalho. (Foto: TV Bahia/Reprodução)

Depois de quinze dias de paralisação, os Sindicatos dos Vigilantes da Bahia (Sindvigilantes Bahia, Sindvigilantes Feira, Sindvigilantes Metropolitano e Sindvilantes Itabuna) resolveu encerrar a greve na última terça-feira (24). Os grevistas voltaram ao trabalho, mas os bancos continuam sem atender clientes e correntistas.

É que esses estabelecimentos se enquadram no Artigo 3º do Decreto Nº 266/2020, estabelecido pelo o prefeito Paulo Bomfim no dia 23 deste mês, que diz:  Art. 3º. Fica determinada a suspensão do atendimento presencial nos estabelecimentos das instituições bancárias situados no território do Município de Juazeiro.

O decreto tem prazo de validade até o dia 31 de março, mas o gestor municipal ainda vai avaliar, junto com o comitê de enfrentamento ao novo coronavírus, se vai prorrogar o prazo de validade.

Enquanto a pandemia avança, os vigilantes continuam trabalhando, mas em estado de greve. Após a crise provocada pelo coronavírus eles vão resolver se retomam ou não o movimento grevista. O presidente do sindicato, José Boaventura, agradeceu a quem aderiu a paralisação

“Pedimos a compreensão de todos e de todas, pedimos a solidariedade também da população, gradecemos também aos vigilantes, guerreiros e guerreiras pela demonstração de luta, de coragem e de firmeza na defesa das nossa reivindicações, de melhores salários para a categoria”, concluiu Boaventura.

Greve dos vigilantes de bancos da Bahia chega ao 14º dia sem previsão de acordo

Vigilantes que prestam serviços a diversas agências de bancos e do INSS de cidades da Bahia continuam sem trabalhar. A greve iniciada no último dia 10 de março chega ao 14º dia sem perspectiva de acordo entre patrões e empregados.

Nos bancos, apenas os caixas eletrônicos estão funcionando mesmo sem o efetivo mínimo de vigilantes que havia sido exigido pela justiça. É que, na semana passada, uma liminar conseguida pela Federação dos Bancos, a qual determinava que parte dos vigilantes mantivesse as atividades, foi derrubada pelo desembargador Edilton Meireles de Oliveira Santos, do Tribunal Regional do Trabalho (TRT).

LEIA MAIS

Enfermeiros de PE aprovam estado de greve alegando escassez de material de proteção

O Sindicato dos Enfermeiros no Estado De Pernambuco (SEEPE) aprovou o estado de greve da categoria em assembleia realizada na tarde desta sexta-feira (20). Os profissionais denunciam escassez de Equipamento de Proteção Individual (EPI) para atender pacientes de casos suspeitos ou confirmados do novo coronavírus. O EPI diz respeito a objetos como luvas, máscaras, óculos de proteção e avental. Caso a situação não mude, a greve entra em vigor na próxima segunda-feira (23).

A mobilização por conta dos equipamentos de proteção começou no dia 13 de março. A ameaça de greve começou a ser cogitada no dia 18. “Sofremos com falta de material há um tempo, mas a situação ficou gritante depois que os casos de coronavírus foram confirmados no estado”, afirma Ludmila Outtes, presidente do Seepe. Dentre os objetos, apenas as luvas estariam em quantidade ideal.

LEIA MAIS

Vigilantes continuam em greve e bancos de juazeiro seguem fechados

(Foto: Internet)

Os vigilantes da Bahia continuam em greve. Já são seis dias de paralisação e reivindicação por reajuste salarial de 3%. A categoria alega estar há dois anos sem reajuste.

LEIA TAMBÉM

Vigilantes seguem em greve e expediente nas agências bancárias de Juazeiro é afetado

Desde a última terça-feira (10), quando a greve foi deflagrada pelo Sindicato dos Vigilantes da Bahia (Sindvigilantes), os bancos de Juazeiro e região estão fechados.  Nas agências, funcionários orientam que pagamentos sejam feitos em lotéricas ou em lojas que aceitem o serviço.

“A recomendação do Sindicato dos Bancários de Juazeiro e Região é de que no caso da ausência de vigilantes, as agências sejas fechadas para a segurança dos funcionários e clientes”, alertou.

Sinpol convoca assembleia para tarde dessa sexta-feira

Categoria decidirá se acata ou não decisão da Justiça (Foto: Ilustração)

Depois de ser notificado pelo Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE), o Sindicato dos Policiais Civis do Estado (Sinpol-PE) convocou uma assembleia para a tarde dessa sexta-feira (13), às 15h na frente da Chefia de Polícia, na capital Recife.

LEIA TAMBÉM

Pernambuco: Justiça considera ilegal paralisação dos policiais civis

A categoria está em paralisação de 24 horas, a contar das zero horas de hoje. Eles cobram melhores condições de trabalho e criticam o Governo de Pernambuco pela falta de diálogo. De acordo com o Sinpol, hoje será debatida a questão de acatar ou não a determinação do TJ.

Na decisão proferida ontem (12), a Justiça determinou suspensão da paralisação e aplicação de multa no valor de R$ 50 mil diário por descumprimento.

Vigilantes seguem em greve e expediente nas agências bancárias de Juazeiro é afetado

Bancos de Juazeiro sentem greve dos vigilantes (Foto: Internet)

Os vigilantes das agências bancárias deflagraram greve na terça-feira (10), em toda Bahia. Hoje eles realizaram um ato público na capital, cobrando diálogo com o sindicato patronal e resposta às suas demandas, apresentadas e sem respostas desde 2019.

LEIA TAMBÉM

Vigilantes declaram greve e agências bancárias de Juazeiro estão fechadas

De acordo com o Sindicato dos Empregados de Empresas de Segurança e Vigilância do Estado (Sindivigilantes), a decisão da greve ocorreu durante uma assembleia coletiva e depois de muitas tentativas de reajuste salarial. Em toda Bahia são cerca de 30 mil profissionais, atuando não apenas na segurança dos bancos, mas também em escolas e prédios públicos.

Em Juazeiro todas as 11 agências suspenderam o funcionamento, por conta da falta de segurança. Até o início da tarde o Sindivigilantes não informou se as negociações avançaram.

123