Pesquisa aponta WhatsApp como principal fonte de informação dos brasileiros

(Foto: Internet)

Uma pesquisa realizada pela Câmara dos Deputados e pelo Senado mostrou o WhatsApp como principal fonte de informação dos brasileiros. 79% dos entrevistados disseram receber notícias sempre pela rede social.

O aplicativo de troca de mensagens possui mais de 136 milhões de usuários no Brasil, sendo a plataforma mais popular juntamente com o Facebook.

Depois do WhatsApp, outras fontes foram citadas, misturando redes sociais e veículos tradicionais na lista dos locais onde os brasileiros buscam se atualizar. Apareceram canais de televisão (50%), a plataforma de vídeos Youtube (49%), o Facebook (44%), sites de notícias (38%), a rede social Instagram (30%) e emissoras de rádio (22%). O jornal impresso também foi citado por 8% dos participantes da sondagem e o Twitter, por 7%.

LEIA MAIS

Em pesquisa da FSB, Bolsonaro bate todos os oponentes e vence Lula até no segundo turno

(Foto: Ilustração)

Na pesquisa para a Presidência da República realizada pelo Instituto FSB e encomendada pela revista Veja, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) aparece em primeiro lugar, com 32% das intenções de votos. Em segundo lugar aparece o ex-presidente Lula (PT), que está inelegível, de acordo com a Lei da Ficha Limpa, por ter sido condenado em segunda instância nos casos do triplex do Guarujá e do sítio de Atibaia. O petista tem 29% das intenções de voto.

O Instituto FSB ouviu, por telefone, 2 mil eleitores com idade a partir de 16 anos, nas 27 unidades da federação, entre os dias 29 de novembro e 2 de dezembro de 2019. Em todos os cenários testados pelo FSB/Veja foram apresentados aos eleitores os nomes de possíveis candidatos à cadeira de presidente nas eleições de 2022. A taxa de confiança da pesquisa é de 95%. A margem de erro é de dois pontos percentuais para mais ou para menos.

LEIA MAIS

11% dos brasileiros já perderam dinheiro em esquemas de investimentos fraudulentos, aponta pesquisa

(Foto: Internet)

A promessa de investimentos com retorno financeiro muito acima da média pode levar investidores menos cuidadosos a optar por modalidades que, na prática, acabam se revelando fraudulentas. É o que revela a pesquisa “Fraudes em Investimentos no Brasil”, conduzida pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil), em parceria com o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae). Os dados mostram que 11% dos internautas brasileiros afirmam já terem perdido dinheiro em esquemas fraudulentos.

As principais ocorrências se deram em esquemas de pirâmide (55%), golpe de seguradora, onde supostamente o investidor receberia uma determinada quantia mediante pagamento de taxas e/ou despesas (19%) e golpe das ações ou fundos antigos de aposentadoria esquecidos, com exigência de pagamento antecipado de supostas taxas e/ou despesas (16%).

LEIA MAIS

Miguel Coelho dispara com 32 pontos de vantagem na primeira pesquisa para eleição 2020

Miguel Coelho venceria todos os candidatos no segundo turno com ampla vantagem.

O Instituto Opinião apresentou a primeira pesquisa para as eleições municipais de Petrolina no próximo ano. O atual prefeito da cidade, Miguel Coelho, aparece liderando as intenções de voto com 32 pontos de vantagem para o segundo colocado. No entanto, com o cenário da pesquisa, haveria segundo turno, no qual Miguel venceria todos os concorrentes.

Caso a eleição acontecesse hoje, o atual prefeito estaria com 45,4% das intenções de voto contra 13,3% de Júlio Lossio (PSD) e 13,1% de Odacy Amorim (PT). Gabriel Menezes (PSL) teria 6%, 2% a mais que Lucas Ramos (PSB), com 4%. Brancos e nulos somam 7,3% e somente 10,9% se manifestaram indecisos.

Júlio mais rejeitado

No quesito rejeição, o ex-prefeito Júlio Lossio aparece na liderança. Dos entrevistados, 22,2% disseram que não votariam nele de jeito nenhum. Em seguida, aparece Odacy com 13,8%, depois Gabriel com 11,6% e Lucas Ramos, 10,4%. Por último, Miguel tem 9,6%. Ainda entre os entrevistados, 5,8% disseram que rejeitam todos e 26,6% afirmaram que não rejeitam nenhum dos candidatos apresentados.

LEIA MAIS

Governo de Pernambuco inicia pesquisa com mulheres sobre mercado de trabalho

(Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil)

Na próxima quinta-feira (17), uma equipe do ‘Pernambuco com Elas’ começa uma pesquisa com mulheres do Estado Pernambucano, sobre a sua inserção no mercado de trabalho. A ideia é construir um perfil, identificar problemas e potencialidades. O diagnóstico irá subsidiar o encaminhamento de ações e políticas públicas de geração de emprego e renda para a população feminina.

Nesta primeira etapa, serão ouvidas 380 mulheres em Camaragibe. A escolha levou em conta números de desigualdade de gênero. De acordo com levantamento feito pela Secretaria de Planejamento e Gestão, com base em dados da Rais e do Caged, trata-se do município da Região Metropolitana do Recife com a relação menos desigual entre homens e mulheres, quando o assunto é mercado de trabalho formal. Para cada mulher empregada, há 1,2 homens empregados.

Em seguida, a equipe do Pernambuco com Elas irá a Goiana, onde, apesar da inauguração de empreendimentos geradores de emprego, as mulheres estão em maior desvantagem na RMR. Para cada mulher empregada, há aproximadamente 3,5 homens empregados.

LEIA MAIS

Pesquisa de mercado busca melhorias para fomentar comércio na Avenida Souza Júnior; saiba como participar

(Foto: Ilustração)

O primeiro passo para dar andamento a um projeto que prevê melhorias na Avenida Souza Júnior, uma das principais vias do Centro de Petrolina, está começando. Com apoio da Prefeitura de Petrolina, as instituições Sebrae, CDL e Sindilojas, lançaram uma pesquisa de mercado para identificar o perfil do consumidor da região e o que pode ser considerado atrativo para esse público.

A pesquisa está sendo aplicada presencialmente entre as pessoas que passam pela rua e pela internet. “É importante que a população responda o formulário e participe da construção desse projeto, porque é através dela que vamos conseguir identificar o que o consumidor deseja e atuar, junto com a associação comercial, nas adequações e melhorias necessárias”, afirma o secretário executivo de Desenvolvimento Econômico, Thiago Brito.

O projeto de melhorias na Avenida Souza Júnior também inclui o alargamento das calçadas, arborização e a instalação de parklets. O objetivo é que o centro comercial seja mais convidativo para os consumidores, além de melhorar a mobilidade e fomentar o comércio.

Moro segue sendo o ministro mais bem avaliado do governo Bolsonaro

Sérgio Moro segue sendo o ministro mais bem avaliado no governo do presidente Jair Bolsonaro (PSL). O ex-juiz da Operação Lava-Jato tem 54% de aprovação entre os eleitores pesquisados pelo Instituto Datafolha. O número mais recente é praticamente estável, quando comparado aos 55% que Moro teve em julho.

A avaliação positiva do titular da pasta da Justiça se mantém mesmo após os contínuos vazamentos de conversas entre Moro e integrantes da Lava Jato e supera em 25 pontos a aprovação do presidente Bolsonaro, de 29%. Em seguida aparece Paulo Guedes, da Economia, com 38%.

Tarcísio de Freitas (Infraestrutura), com 36%, completa o pódio dos mais bem avaliados. Envolvido nas recentes polêmicas sobre a Amazônia, o ministro de Meio Ambiente, Ricardo Salles e o da Educação, Abraham Weintraub possuem porcentagem próxima a de Bolsonaro, na casa dos 29%. O Datafolha entrevistou 2.878 pessoas, em 175 municípios de todas as regiões do País.

Bactéria pode ter agravado surto de microcefalia no Brasil, diz estudo com participação da UFRPE

(Foto: Internet)

Estudo realizado por brasileiros indica que o vírus da zika pode não ter sido o único causador dos severos casos de microcefalia no País a partir de 2015. Cientistas demonstraram que más-formações congênitas, observadas sobretudo no Nordeste, podem ter sido agravadas por bactéria presente na água.

LEIA MAIS

MEC faz novos cortes e Capes anuncia suspensão de mais de 5 mil bolsas de mestrado e doutorado

A Capes (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior) anunciou nesta segunda-feira (2) o corte de mais 5.613 bolsas de mestrado e doutorado. Com a medida do governo Jair Bolsonaro (PSL), nenhum outro novo pesquisador vai ser financiado neste ano.

Este já é o terceiro anúncio de cortes de bolsas em 2019. Desde o início do ano, o governo Bolsonaro já cortou 11.811 bolsas de pesquisa financiadas pela Capes, equivalente a 10% das bolsas vigentes no início do ano.

Segundo o governo, não haverá interrupção de pagamento para bolsistas com pesquisas em andamento. Os benefícios cortados referem-se a bolsas de pesquisadores que já finalizaram seus estudos, mas não serão repassados para outros alunos.

LEIA MAIS

Datafolha: reprovação de Bolsonaro chega a 38%

Nova pesquisa aponta queda na aprovação e crescimento na reprovação

A reprovação do presidente Jair Bolsonaro (PSL) segue crescendo. Foi o que apontou a nova pesquisa do Datafolha, a pedido da Folha de São Paulo, publicada nessa segunda-feira (2): 38% dos eleitores entrevistados reprovam o trabalho do Bolsonaro.

Segundo o Datafolha, a aprovação do presidente também caiu de 33%, em julho para 29% — dentro do limite da margem de erro de dois pontos percentuais para mais ou menos. Por outro lado, a avaliação do governo como Regular ficou estável: antes 31% e agora 30%.

Com 38% de reprovação, Bolsonaro segue sendo o presidente eleito mais mal avaliado em um primeiro mandato, levando em conta os governos de Fernando Henrique Cardoso, Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff. Nos primeiros oito meses de governo, ele apresenta maior rejeição que seus antecessores Dilma (11%), Lula (10%) e FHC (15%).

(Com informações de O Globo)

Região Nordeste lidera rejeição ao governo Bolsonaro, diz pesquisa

A região Nordeste lidera a rejeição ao governo Bolsonaro. Segundo pesquisa divulgada ontem pelo instituto MDA em parceria com a CNT, os números saltaram de 28,5%, balanço registrado em fevereiro, para 65,3% – ou seja, mais que o dobro. O uso constante de palavras ofensivas e comentários inadequados foi citado por 30,6% dos brasileiros entrevistados como as piores ações do governo.

O governo do presidente Jair Bolsonaro (PSL) é avaliado como ruim ou péssimo por 39,5% dos brasileiros. Em fevereiro, esse índice era de 19% – ou seja, houve uma elevação de pouco mais de 20 pontos percentuais em seis meses. O levantamento indica ainda que 29,4% consideram o governo ótimo ou bom e 29,1%, regular. Não souberam ou não responderam 2% dos entrevistados. Em fevereiro, esses índices eram de 39%, 29% e 13%, respectivamente. A reprovação ao desempenho pessoal de Bolsonaro também cresceu no período para 53,7% em agosto, ante 28,2% em fevereiro. Já a taxa de aprovação do mandatário caiu de 57,5% para 41%.

LEIA MAIS

Desaprovação de Bolsonaro cresce em nova pesquisa

Bolsonaro tem trabalho reprovado por eleitores

A desaprovação do presidente Jair Bolsonaro (PSL) cresceu. É o que indica o novo levantamento realizado pelo CNT/MDA, publicada nessa segunda-feira (26). Segundo a pesquisa, a desaprovação de Bolsonaro subiu para 53,7%, contra 28,2% em fevereiro.

Enquanto a desaprovação cresceu, a aprovação do presidente caiu. Antes 57,5% avaliavam como positivo o governo de Bolsonaro, agora são 41%. Não quiseram ou não souberam opinar totalizam R$ 5,3% dos entrevistados.

Avaliação negativa também no governo

A pesquisa também questionou aos entrevistados como eles avaliam o governo do atual presidente. Com alta de 20 pontos, 39,5% dizem ser negativo o trabalho de Bolsonaro. Já quem avalia como positivo diminuiu, caiu de 38,9% em fevereiro para 29,4% agora.

A avaliação regular do governo é de 29,1% e 2% não souberam responder. O levantamento ouviu 2.002 entrevistados entre os dias 22 e 25 de agosto, em 137 municípios de 25 Unidades da Federação. A margem de erro é de 2,2 pontos  percentuais. (Com informações do JC Online).

Cemafauna coordena investigação sobre morte e desaparecimento de abelhas na região do Vale do São Francisco

(Foto: Divulgação)

Pesquisadores do Centro de Manejo de Fauna da Caatinga (Cemafauna), da Universidade Federal do Vale do São Francisco (Univasf), estão investigando as possíveis causas de morte e desaparecimento de abelhas na região. A pesquisa foi motivada a partir de um inquérito, instaurado pelo Ministério Público de Pernambuco (MPPE), após criadores de abelha e produtores de mel relatarem que houve uma diminuição na ocorrência da espécie Apis mellifera, nos últimos anos, sem causa identificada. Para a realização do estudo, o Cemafauna conta com o apoio da Universidade de São Paulo (USP) e da Universidade de Cardiff, no País de Gales.

Para o estudo, o Cemafauna realizou a coleta de abelhas mortas e do mel produzido por essa espécie. “A pesquisa envolveu somente a Apis melliferapor ser a espécie de interesse dos apicultores que diagnosticaram o problema na região”, conta a coordenadora da pesquisa no Cemafauna, a bióloga Aline Andrade. Ela destaca que esta espécie é responsável por grande parte da polinização de frutos. “Embora seja exótica, ela tem ampla distribuição por todo o país, com importante papel ecossistêmico nos serviços de polinização e, consequentemente, na produção de frutos”, explica.

O material coletado foi enviado para a Universidade de São Paulo, para ser analisado por pesquisadores. Nas primeiras análises, foi identificada a presença de substâncias químicas nas cutículas (pele) das abelhas. Estas substâncias são encontradas em pesticidas utilizados nas lavouras agrícolas.

LEIA MAIS

Pesquisa indica que 87% das pessoas acham conta de luz cara no Brasil

(Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil)

Um levantamento feito pela Associação Brasileira dos Comercializadores de Energia (Abraceel) em parceria com o Ibope, mostrou que 79% dos entrevistados gostaria de ter um mercado livre para escolher a sua fornecedora de energia. O percentual é 10% maior do que o obtido na avaliação de 2018. Segundo a Pesquisa de Opinião Pública 2019 sobre o que o brasileiro pensa e quer do setor elétrico, lançada hoje (12) na capital paulista, 68% dos entrevistados trocariam hoje a sua fornecedora de energia.

LEIA MAIS

Estudo mundial aponta Petrolina e Juazeiro como cidades do Brasil que apresentam risco extremo de escassez de água

Rio São Francisco (Foto: Arquivo)

Um estudo mundial sobre recursos hídricos, realizado pela ONG World Resources Institute, divulgado hoje (6) pelo telejornal Bom Dia Brasil da TV Globo, aponta quais países estão em risco de escassez de água. Segundo a pesquisa, 17 países são apontados em risco extremamente alto de falta d’água, 12 deles estão no Oriente Médio ou na África.

Apesar de o Brasil não ser um dos países em pior situação, no estudo, as cidades de Petrolina (PE), Juazeiro (BA) e Juazeiro do Norte (CE) apresentam risco extremo de estresse hídrico, quando a região tem menos água que o necessário.

As causas apontadas para essa escassez de água são: consumo excessivo, desperdício, crise climática e degradação ambiental (áreas de captação de água).

LEIA MAIS
123