Cirurgião oncológico do Ceonco/Apami emite alerta para prevenção do câncer do colo de útero

Apami

O câncer do colo do útero, o segundo mais recorrente em mulheres, está associado principalmente aos hábitos da vida sexual da mulher. Ele tem sua formação ligada a uma infecção persistente por alguns tipos do Papilomavírus Humano, o HPV. Segundo o Instituto Nacional de Câncer (INCA) para o ano de 2016, a expectativa é que 16.340 mulheres sejam diagnosticadas com a doença.

Em alguns casos, a infecção genital pelo HPV que é adquirida através da relação sexual, pode ocorrer alterações celulares que poderão evoluir para o câncer. Segundo o Cirurgião Oncológico do Centro de Oncologia/Associação Petrolinense de Amparo à Maternidade e à Infância, Murilo Martins, o câncer na sua fase inicial não apresenta sintomas, por isso é de fundamental importância a realização dos exames preventivos anuais. “Quando a mulher apresenta sintomas a doença normalmente esta avançada, é onde ocorre sangramentos vaginais,  dores pélvicas e corrimentos purulentos na vagina com odor ruim. Daí a importância vital dos exames preventivos para o diagnóstico precoce, os quais devem ser feitos por todas as mulheres”.

Quando descoberto em estágios avançados, mesmo com o tratamento, podem surgir dores crônicas no abdome, infertilidade, problemas estéticos e dificuldade nas relações sexuais. Ainda de acordo com o cirurgião, 90% dos casos estão associados ao vírus, que inicialmente causa somente uma inflamação, e depois de alguns anos se transforma em tumor, se não diagnosticado e tratado no início. Quando descoberto em fase inicial o câncer é curável em quase sua totalidade chegando a mais de 90% de cura.

O tratamento da doença é realizado de modo individualizado, considerando a fase em que o câncer foi descoberto e a capacidade física da pessoa em tolerar os tratamentos propostos. Ele compreende desde a cirurgia, quimioterapia e radioterapia. “Nos tumores iniciais muitas vezes são feitos tratamentos menos agressivos que não deixam sequelas. Normalmente a cirurgia é o suficiente. Dependendo do grau da doença são associados outros tratamentos”, explica Martins.

Deixe uma resposta