Colégio Auxiliadora busca governador para dar celeridade ao caso Beatriz

Direção da escola encaminhou ofício ao governador do Estado/Foto: ASCOM

Direção da escola encaminhou ofício ao governador do Estado/Foto: ASCOM

Diante da demora na resolução do caso Beatriz Mota, que no dia 10 de maio completa 5 meses, o Colégio Maria Auxiliadora de Petrolina encaminhou para o governador de Pernambuco, Paulo Câmara, ofício solicitando uma maior intervenção do governo do Estado nas investigações em curso. O documento, enviado na última sexta (29) para o Palácio do Campo das Princesas, solicita o direcionamento de reforços policiais para elucidação do crime.

Os esforços da unidade escolar somam-se ao clamor por justiça de movimentos que exigem a prisão do responsável pelo homicídio da criança, que era aluna do Colégio. O corpo diretivo do Auxiliadora reafirma a confiança no trabalho das instituições públicas que atuam no caso e destaca que acionar o governador é uma alternativa para dar celeridade as investigações, que até o momento, não conseguiram elucidar o crime.

Apoio nas investigações
O Colégio Maria Auxiliadora tem colaborado, irrestritamente, com as investigações e tem sido parceira das autoridades policiais. Desde a noite do crime, 10 de dezembro de 2015, foram acatadas todas as recomendações, solicitações e requerimentos, repassando todo tipo de informação ou material que possa servir à elucidação do caso.

A unidade escolar abriu as portas para diligências e perícias nos mais variados horários, forneceu imagens de todas as câmeras de segurança, cerca de 40, disponibilizou toda documentação de RH requerida, atendeu e vem atendendo as requisições para que seus funcionários prestem depoimentos, independente de intimação formal e sem restrição de horário.

Desde a noite do fato, ocorrido durante comemorações do encerramento da 3ª série do ensino médio, o local onde Beatriz foi encontrada está interditado para não atrapalhar as investigações. De maneira complementar, o corpo jurídico da unidade de ensino mantém ligação direta com as autoridades para prestar esclarecimentos e atender o que for solicitado.

Com o início das investigações, a instituição buscou a contratação do serviço de Disque Denúncia, ferramenta de suma importância para auxiliar no caso.

Apoio à família

Irmanada com o sentimento de dor da família de Beatriz, a escola ofereceu apoio aos pais da criança e psicólogos da instituição foram oferecidos para atendimentos aos pais e parentes. A unidade escolar também deferiu solicitação de licença remunerada para o pai de Beatriz, Sandro Romilton, que é professor da instituição. “É de total interesse da nossa escola que o crime seja brevemente elucidado, apurando-se a verdade real, principalmente pela dor que a família está enfrentando e também pela dor da nossa casa, uma vez que Beatriz era uma aluna Salesiana”, reafirma Irmã Julia Maria de Oliveira, atual diretora do Colégio.

Disque Denúncia
Qualquer informação para elucidação do caso Beatriz pode ser direcionada para o Disque Denúncia nos números (81)3421-9595/ (81) 9919-3015. A recompensa para informações que possam levar ao autor do crime é de R$10 mil e a identidade do denunciante será preservada.

Com informações da Assessoria

Deixe uma resposta