Com salários e benefícios atrasados, terceirizados que prestam serviço à Polícia Civil procuram o SINPOL

A maioria dos trabalhadores presentes relatou estar passando por privações e situações vexatórias em razão dos atrasos./Foto: Ascom

A maioria dos trabalhadores presentes relatou estar passando por privações e situações vexatórias em razão dos atrasos./Foto: Ascom

Há mais de três meses sem salários, com o recebimento dos tickets de alimentação e vales transporte também atrasados, mais de trinta funcionários terceirizados que prestam serviços à Polícia Civil de Pernambuco estiveram, na tarde desta sexta (16), na sede do SINPOL pedindo ajuda. Durante o encontro, a comitiva recebeu cestas básicas e orientações jurídicas sobre como solucionar o problema.

A maioria dos trabalhadores presentes relatou estar passando por privações e situações vexatórias em razão dos atrasos. Maria Clara de Souza, de 50 anos, trabalha na delegacia do Varadouro e é uma dessas pessoas.

“Tenho passado muitas necessidades, às vezes fico sem saber o que fazer. Tem horas que você olha para os quatro cantos da casa e se desespera. Hoje eu to feliz por ter ganhado uma benção dada por Áureo e sua equipe. Mas imagine o que é você trabalhar duro e ainda assim ter que depender da boa vontade das pessoas. Muitas vezes só almocei porque alguns policiais ficaram sensibilizados com a nossa situação e nos trouxeram comida. Sinto vergonha dessa situação”, desabafa.

Contratados pela Encrede, empresa responsável pela manutenção do acervo da Polícia Civil, não é a primeira vez que esses trabalhadores procuram o SINPOL pelas mesmas razões. “Teoricamente esse não é um problema nosso. Mas essas pessoas são nossas companheiras de trabalho, não podemos simplesmente fechar os olhos e agir como se nada estivesse acontecendo, assim como tem feito o governo do estado”, explica o Presidente do SINPOL, Áureo Cisneiros.

Com informações de Sinpol

Deixe uma resposta