Como serão julgados pela história do impeachment nossos representantes?

Marcelo DamascenoNão comentamos aqui a satisfação ou apologia partidária. Seria desabonar o jornalismo e desqualificar o legítimo arbítrio da ideologia, a posição em bancada governista ou da oposição ao inquilino governante.

A bancada federal que o petrolinense escolheu, confiou seu interesse, deve sim, ser avaliada, ser apoiada ou questionada. O parlamento só tem legitimidade pela sua legislatura plural, do embate e da convivência dos contrários. Um parlamento unânime é nocivo ao interesse público. O parlamento bom deve trazer a discórdia. A ideia de oposição. Quanto mais controvérsia, melhor. Os nossos legisladores nativos sabem disso. Devem aceitar isso. A população deve também absorver as motivações e certas opções de cada posicionamento por cada deputado, a saber, Gonzaga Patriota e Fernando Filho, ambos do PSB e favoráveis ao impeachment. Bem como o voto governista do deputado Adalberto Cavalcanti (PTB). Ainda quais argumentos do senador Fernando B. Coelho (PSB) que modifica seu voto ou não, do impedimento a Dilma Roussef manter-se presidenta, dessa premissa que tem contornos e incógnitas ao que é informado à imprensa. Das entrevistas e do implícito a essa decisão de FBC.

Do flagrante despreparo e demagogia, oportunismo e ignorância ao teor jurídico e constitucional. isso foi avaliado nessa sessão de domingo, 17 na Câmara Federal. A superficialidade de grande parte dos deputados contrários e favoráveis ao impedimento. Prevaleceu a grosseria involuntária e desfaçatez de alguns. Também notório desconforto e covarde divindade de outros. Prevaleceu também democrática a escolha da Câmara pela admissibilidade do afastamento de Dilma Rousseff. Há de ser respeitado isso. Bem como a escolha da sociedade. Juízo maior fará o senhor tempo.

Porém, invejável a tática maliciosa e cínica do núcleo diretor sob a inspiração com enxofre do diabólico Eduardo Cunha.

De Petrolina, a avaliação pelo contexto eleitoral e torcidas organizadas. Agora é o senador, a prosseguir o rito do IMPEACHMENT. E no caso de Petrolina, o voto de FBC. A militância, mais pela conveniente acomodação e favores no varejo e menos pelas convicções de vida, incluindo a doutrina social e política.

Se os congressistas, com justas exceções, foram tão cômicos e insensatos ao tema votado, é compreensível o ignaro eleitor, excetuando a população que defende ideário político mesmo.

Escrevi, Marcelo Damasceno.

Deixe uma resposta