Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!

Comunidade indígena Pakararu é atacada mais uma vez

A igreja da comunidade teve portas e janelas quebradas e sofreu tentativa de incêndio. (Foto: Reprodução/ Jornal do Commercio)

Moradores da comunidade indígena Bem Querer de Baixo, em Jatobá, município do Sertão de Pernambuco acionaram a Justiça para investigar a destruição de mais um prédio de uso do povo Pankararu. Desta vez, o alvo foi a Igreja de Nossa Senhora da Conceição, que sofreu uma tentativa de incêndio e teve portas e janelas quebradas. O ataque aconteceu na madrugada de sábado (8), menos de dois meses do incêndio da escola e da Unidade de Saúde da Família.

De acordo com integrantes da comunidade, que por segurança preferem não se identificar, o vandalismo na igreja católica, no dia de Nossa Senhora da Conceição, 8 de dezembro, tem as mesmas características do incêndio no colégio e no posto de saúde. “Mas agora, gente ligada aos posseiros fez publicação (em redes sociais) comemorando o feito, dizendo que é isso mesmo e que ainda falta (derrubar) as paredes (do templo), e chamando a gente de escória”, declara uma das representantes do povo Pankararu. Jatobá fica a 425 quilômetros da capital, Recife (PE).

A escola de ensino fundamental e a Unidade de Saúde da Família foram danificadas na madrugada de 29 de outubro. “As investigações não dão nenhum resultado, mas todo mundo sabe de onde partem os ataques. A gente acredita que agora o mais importante é mostrar como eles estão confortáveis em atacar, em violentar e em ofender, porque a Justiça mesmo não faz nada”, lamenta. Para os pankararus, as ações são praticadas por posseiros que tiveram de deixar a área indígena demarcada em setembro deste ano, por ordem judicial.

Em nota, a equipe do Programa Estadual de Proteção a Defensores de Direitos Humanos informou que já entrou em contato com a Secretaria de Defesa Social, o Comando Geral da Polícia Militar de Pernambuco e o Ministério Público Federal, entre outras instituições, pedindo reforço no policiamento ostensivo, para prevenir novos ataques. Também reforça a necessidade de investigações para identificar e punir os responsáveis pelos atos de violência.

O delegado de Jatobá, Daniel Angeli, disse que ainda não assumiu o caso, registrado pela equipe de plantão neste fim de semana, e só a partir desta segunda-feira (10) vai se inteirar do assunto.

Desocupação

A área indígena Pankararu tem 14.294 hectares, foi demarcada em 1940 e homologada em 1987. Depois de uma longa disputa na Justiça, em junho deste ano a 4ª Turma do Tribunal Regional Federal da 5ª Região determinou o cumprimento da decisão da 38ª Vara Federal de Pernambuco, que decidiu pela saída dos não índios das terras do povo Pankararu, em um prazo de 90 dias. Como os posseiros não saíram espontaneamente, Policiais federais e militares retiraram sete, dos 12 ocupantes, em 13 de setembro desse ano na região de Jatobá, Tacaratu (PE) e Petrolândia (PE).

A comunidade Bem Querer de Baixo informa que a campanha virtual lançada para arrecadar recursos que serão usados na reconstrução do prédio da escola e da Unidade de Saúde da Família continua aberta. Os interessados em colaborar podem doar, através da internet.

Com informações do Jornal do Commercio

Deixe uma resposta