Conselho Universitário da UFPE se reúne nesta sexta para debater suspensão de calendário acadêmico

O reitor Anísio Brasileiro. (Foto: Clemilson Campos)

Na foto o reitor Anísio Brasileiro. (Foto: Clemilson Campos)

O Conselho Universitário da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) decide, na manhã de hoje (18), no auditório do Departamento de Energia Nuclear, se atende ao pleito de parte dos alunos da instituição e suspende o calendário acadêmico deste semestre. O colegiado foi convocado pelo reitor Anísio Brasileiro (foto), no início da semana, em negociação com estudantes sobre a desocupação da Faculdade de Direito do Recife.

Apenas membros do conselho – como reitor e vice-reitor, pró-reitores, ex-reitores, diretorias de centro, servidores técnicos administrativos – participam das reuniões. Os alunos também teriam direito de integrar o grupo, através de representantes do Diretório Central dos Estudantes, mas como não elegem nova diretoria para o DCE há cerca de uma década, a princípio não poderiam participar do encontro de hoje.

“Há quase 10 anos lutamos para que os estudantes elejam sua representação, mas como eles não conseguem fazer isso, formalmente não tem direito a voto”, explica a pró-reitora de Assuntos Estudantis, Ana Cabral. Apesar disso, os alunos conseguiram que uma exceção fosse aberta pelo reitor e ele permitiu que dois estudantes de cada um dos 12 centros acadêmicos da UFPE (10 do Recife, mais Vitória de Santo Antão e Caruaru) participem do conselho. Eles poderão falar, mas votar, não.

Difícil aprovação

Tendo em vista que o calendário acadêmico da UFPE nunca foi suspenso, segundo Ana Cabral, o tema colocado em pauta pelos estudantes será de difícil aprovação. “A cultura da universidade é que, passado o período de paralisação, o calendário seja retomado e os ajustes feitos. Esse procedimento é adotado até porque nem todos os professores estão parados e nem todos os alunos estão sem aulas”, afirmou a pró-reitora.

Ao sair da reunião em que formalizou acordo com os estudantes que ocupavam a FDR, Anísio Brasileiro adiantou que outro tema a ser debatido pelo conselho será a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) do Teto, principal motivo dos protestos dos alunos. “Vamos debater a conjuntura das universidades do País, a PEC, e reafirmar nosso compromisso de negociação permanente, de respeito e cuidado com os estudantes”, diz. O Ministério Público Federal e a Defensoria Pública da União confirmaram presença.

Com informações do Penotícias

Deixe uma resposta