Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!

Cristina Costa celebra vitória na Justiça, Manoel afirma que ainda há processos em julgamento

Edis se envolveram em confusão durante programa (Foto: Blog Waldiney Passos)

A última sessão de 2018 na Casa Plínio Amorim foi marcada pela notícia de que o vereador Manoel da Acosap (PTB) foi condenado em primeira instância no processo contra a colega Cristina Costa (PT), em relação a um caso registrado em 2017.

Costa usou a Tribuna Livre para publicizar o resultado expedido pelo Juiz de Direito Paulo de Tarso, do Juizado Especial Criminal de Petrolina, na qual fica determinada a detenção de três meses ou serviço comunitário ou pagamento de salários mínimos a Manoel por agredir fisicamente a vereadora. Segundo a edil não houve prazer em ler a sentença e seu gesto foi uma forma de mostrar que “ninguém está acima da lei”.

LEIA TAMBÉM:

Manoel da Acosap é condenado a pagar 10 salários mínimos para Cristina Costa após confusão

Exemplo às vítimas

Em conversa com a imprensa a vereadora disse que o processo em questão foi movido por Manoel, alegando que ele teria sido agredido por ela e espera que a decisão sirva de exemplo para outras mulheres. “Essa condenação vem fazer com que as mulheres que são agredidas pelos homens possam não baixar a cabeça. [Agi] Como mulher parlamentar, para dar exemplo para as mulheres que não tem força, ninguém está acima da lei. Eu fiz esse anúncio as mulheres, nós não podemos ser submissas”, disse Costa.

Cautela

A Manoel cabe o direito de recorrer da decisão, mas em outra instância. “O processo está em andamento, sempre procurei respeitar os poderes. Tem três processos, ela falou de um, mas têm mais dois que são favoráveis a mim. Esse que foi julgado dia 14 a priori é favorável a ela. Nesse processo vamos recorrer em segunda instância, vamos aguardar”, explicou o edil.

Segundo o edil o Ministério Público de Pernambuco (MPPE) condenou as duas partes por agressão e na audiência de instrução no processo no qual foi condenado, não houve negociação amistosa entre as partes. O vereador afirmou ainda que não fará nenhum comentário sobre a ação, já que está aqui “para acatar e respeitar” e o que for determinado ele respeitará. “A Justiça é feita para todos, estou aqui para aguardar até quando sair a decisão final”, disse.

Comissão de Ética

Presidente da Câmara, Osório Siqueira  (PSB) foi questionado pela imprensa a respeito da atuação da Comissão de Ética no processo e foi categórico: nenhum dos vereadores buscou a Câmara. “A decisão da Justiça não se discute, se cumpre. É uma questão entre eles dois, eu não fui solicitado por nenhuma das partes. Se for solicitado vamos fazer o que determina a lei”, afirmou.

Deixe uma resposta