Cristina Costa elogia Adalberto Cavalcanti e critica os que são favoráveis ao impeachment

Vereadoras Cristina Costa (Foto. Jean Brito)

Vereadora Cristina Costa (PT) afirma que Fernando Bezerra (PSB/PE) está envolvido na Laja Jato e que o deputado Fernando Filho (PSB/PE) recebeu dinheiro do petrolão / Foto: Waldiney Passos

Sobre a postura dos deputados Fernando Filho e Gonzaga Patriota, ambos do PSB, que votaram a favor do impeachment da presidente Dilma Rousseff (PT), e ainda sobre o posicionamneto do senador Fernando Bezerra Coelho (PSB), que tem sinalizado votar provavelmente a favor do processo também no Senado, a vereadora Cristina Costa (PT) disse nesta terça-feira (19), que eles querem chegar ao poder pelo caminho errado.

“Me chamou a atenção Gonzaga Patriota que tem mais de cinco mandados e Fernando filho que também tem mais de três mandados, eu vi que eles voltaram, como disse a própria vereadora Maria Helena, o PSB tem um sonho de chegar ao poder, e infelizmente, como ela disse, teve que se unir a caminhos tortos, então esses caminhos são os que Gonzaga, Fernando Filho e Fernando Bezerra querem chegar ao poder, e dizer que nesse caminho não vai chegar ao poder, porque eu acho que o caminho correto é a legitimidade da avaliação do Povo de Petrolina “, disse Cristina.

A vereadora questionou o senador Fernando Bezerra e fez dura acusação ao deputado Fernando Filho. “Eu respeito o posicionamento dele, mas em contrapartida não tem nenhuma moral, não tem nenhuma questão de criticar e joga fora todo o seu discurso, por que se você trouxer para realidade de hoje o senador Fernando Bezerra está envolvido na Lava Jato e Fernando Filho recebeu dinheiro do petrolão”.

Cristina Costa elogiou, no entanto, a postura do deputado Alberto Cavalcanti (PTB). “Me surpreendeu, é o primeiro mandato dele, quero dizer, faço críticas a postura em relação ao deputado, mas tenho que reconhecer que ele tem uma postura hoje de ter uma simpatia, ganhou uma parte da simpatia do Partido dos Trabalhadores e da sociedade de Petrolina, principalmente o pessoal das periferias, dos trabalhadores que não gostam de injustiça”, concluiu.

Deixe uma resposta