“É uma coisa que não passa por mim”, diz Odacy Amorim sobre demissão de vigilantes

(Foto: Arquivo)

Em entrevista a Waldiney Passos, no Programa “Super Manhã”, da Rádio Jornal, nesta terça-feira (18), o diretor-presidente do Instituto Agronômico de Pernambuco (IPA), Odacy Amorim, comentou a denúncia de perseguição política, feita por vigilantes do IPA, na última sexta-feira (14).

LEIA TAMBÉM

IPA afirma que Odacy Amorim está isento em demissão de vigilantes

Segundo o ex-deputado, Odacy Amorim (PT), as demissões e consequentemente, a mudança no quadro de profissionais da segurança, foram provocadas pela mudança da empresa  terceirizada, responsável pelos vigilantes. “Houve uma mudança de empresa e nessa mudança, a direção que é ligada a Daniel Saboia, que é diretor financeiro que cuida dessa área, que comunicou que haveriam essas mudanças, dada a alguma questão da empresa nova que chegava, alguma coisa assim”, explicou Odacy.

“Essa questão que eu mandei ele trocar, primeiro que eu nem entendi por que eles fizeram isso por que eles tinham estado comigo, a gente teve uma conversa tão boa. Eu lutei até o fim para poder manter a maioria desses vigilantes, inclusive, um que a mãe ou é o pai que está com câncer, eu disse que não abria mão por que era uma pessoa que tinha alguém na família com caso de enfermidade grave”, completou.

Sobre a acusação de perseguição política, Odacy afirmou que não teve nenhuma participação na demissões. “É uma coisa que não passa por mim, uma decisão de uma empresa. Se a empresa tem interesse de contratar os mesmos vigilantes, ela estava liberada para contratar. Então é uma situação, que o que não pode é misturar questões políticas e quererem criar fatos na imprensa para poder atingir a minha pessoa. Eu tentei manter todos os vigilantes lá. […]É uma decisão que o sindicato precisa ponderar direitinho. […] Não tem nada de política nisso.”

Questionado sobre a afirmação dos vigilantes, de que teriam sido “apunhalados pelas costas” por Odacy, o diretor-presidente do IPA, disse que nesse período que antecede as eleições de 2020, as lideranças precisam ter cautela. “O ambiente em Petrolina está ficando muito hostil com esse negócio da política, estão misturando as coisas por que estão preocupados, essa vai ser a primeira eleição de segundo turno na próxima eleição, então, tudo que puderem criar para poder sucumbir, eles vão criar. [..] Eles só precisam, como líder que eles são, eles precisam ter habilidade para poder conversar, ao invés de ir na Rádio e falar um negócio desses. É uma inverdade um negócio desse.”

Ainda no Programa “Super Manhã” de hoje, o presidente do Sindicato dos Vigilantes, Laércio Vasconcelos e o Diretor Financeiro, Cláudio Arruda foram questionados sobre o posicionamento do IPA, que isentou Odacy Amorim da autoria das demissões. Contudo, os representantes da categoria, preferiram não comentar o assunto.

Deixe uma resposta