Em entrevista, Fernando Filho evita criticar Câmara e fala sobre retaliação

(Foto: Internet)

Em entrevista à Folha de Pernambuco, o ministro de Minas e Energia, Fernando Filho falou pela primeira vez sobre o seu desligamento do PSB e sobre a negociação com outras siglas. A retaliação do governo de Pernambuco a Miguel Coelho, também esteve em pauta.

No último dia 26 de outubro, Fernando Filho deixou o PSB de forma discreta, mas ainda está sem legenda. “Quando partido disse que daria a carta, a gente aceitou de forma tranquila e, com isso, foram muitos processos no conselho do partido e consequentemente foi desmarcada a reunião. Eu acho que foi incompatibilidade, o partido concorda com isso. Vamos cada um cuidar do seu caminho agora”, afirmou Fernando Filho.

Questionado sobre o novo caminho, se no partido de Michel Temer ou com Rodrigo Maia, o ministro afirmou que a decisão ainda não foi tomada. “Vocês sabem da relação que tenho com o presidente Rodrigo Maia, tenho relação de amizade desde antes de ser ministro e ele presidente da Câmara. Mas tem as questões nacionais e tem as questões locais. Sobre a perspectiva de liderar um projeto do PMDB em Pernambuco e acho que isso não é excludente da gente estar alinhado com o discurso do presidente Rodrigo Maia. Quanto à filiação, vamos deixar caminhar mais um pouco, vou conversar com presidente e no momento oportuno vamos tomar uma decisão”, explicou.

Governo de Paulo Câmara e retaliação

Na oposição ao governo de Paulo Câmara, Fernando Filho preferiu não tecer críticas, mas não deixou passar em branco as questões ligadas a segurança. “Eu não faço avaliação de governo. Até porque sou parte e quero participar do processo. Agora, tem, de fato, uma frustração, digamos assim, de expectativa de algumas áreas, mais notadamente de segurança. Mas, quem tem que fazer essa avaliação é a população e ela vai fazer essa avaliação no momento certo sua escolha”, ponderou.

Questionado sobre o desligamento de pessoas ligadas ao seu grupo, o ministro acredita que faz parte do processo político, mas lamentou o ocorrido. “Acho que é natural do processo político. São boas pessoas, estavam fazendo um bom trabalho e eles tomaram a decisão de desligar essas pessoas. Algumas delas estavam há mais de cinco ou seis anos no cargo. Acho que faz parte. Ninguém constrói projeto em cima de cargos. Não se faz isso”, lamentou.

Com a desfiliação do senador Fernando Bezerra e na sequência a do ministro, o clima com Paulo Câmara ficou menos amistoso e isso pode ter refletido na ligação com o prefeito de Petrolina Miguel Coelho (que ainda está no PSB).

“Eu espero que o governo saiba distinguir uma coisa da outra. O governador foi eleito para representar todos os pernambucanos e o prefeito para representar o povo de Petrolina. Se passar disso, eu vou ficar muito triste como cidadão. Espero que não aconteça”, avaliou Filho.

Deixe uma resposta