‘A equipe nomeada pelo prefeito eleito carrega a inexperiência como principal característica’, dispara o vereador eleito Paulo Valgueiro sobre equipe de transição de Miguel Coelho

Segundo Valgueiro, os aliados da vereadora estão recebendo um governo muito melhor do que entregaram. (Foto: ASCOM)

A vereadora Maria Elena (PSB), fiel aliada do grupo político liderado pelo senador Feranndo Bezerra Coelho (PSB), pai do prefeito eleito hoje deputado estadual Miguel Coelho (PSB), fez sucessivas críticas nos últimos dias às pessoas nomeadas pelo prefeito Julio Lossio (PMDB), para prestar as devidas informações a Equipe de Transição do próximo prefeito.

Insatisfeito com as afirmações da vereadora de que a prefeitura não está facilitando o trabalho da equipe e sim prestando um desserviço ao município travando as informações, o vereador eleito Paulo Valgueiro (PMDB) emitiu uma nota contestando as recentes declarações da vereadora Maria Elena sobre o processo de transição de governo.

De acordo com o parlamentar, “a equipe nomeada pelo prefeito eleito carrega a inexperiência como principal característica e tenta criar factoides para talvez justificar a inabilidade de passar ao prefeito eleito as informações que lhe permitam iniciar a gestão com a necessária segurança e a responsabilidade que Petrolina merece”.

Segundo Valgueiro, os aliados da vereadora estão recebendo um governo muito melhor do que entregaram. E finalizou a nota dizendo ser necessário que Maria Elena desça do palanque e desarme-o para que Petrolina possa ver as promessas de Miguel Coelho cumpridas.

Confira a íntegra da nota:

Observando as críticas feitas pela Vereadora Maria Elena ao processo de transição e à gestão do Governo do Prefeito Julio Lossio, não pude me furtar de fazer algumas observações e esclarecimentos pertinentes.

A nobre vereadora fala em aceitar derrotas. Ora, só existe uma vaga para Prefeito, portanto, é para isso que servem as eleições municipais, para que o povo escolha e eleja um candidato. Eleição é isso, nem todos vencem. E no caso do executivo, apenas um pode sair vencedor. E isso, sabemos reconhecer com dignidade e altivez.

Em verdade, quem sempre teve dificuldade de aceitar derrotas foi o PSB que tentou de todas as formas cassar o prefeito Julio Lossio, após sua histórica vitória contra o Clã Coelho. O mesmo PSB que, inclusive, sempre podou os sonhos da vereadora não lhe permitindo alçar voos maiores, apesar de toda a sua lealdade e subserviência.

O prefeito Julio Lossio tem procurado fazer uma transição de forma republicana e democrática, atendendo com presteza às solicitações da equipe de transição, que talvez não esteja conseguindo acompanhar com a mesma velocidade a quantidade de informações e documentos que vem sendo disponibilizados.

Com todo o respeito, sem querer desmerecer ninguém, parece-me que a equipe nomeada pelo prefeito eleito carrega a inexperiência como principal característica e tenta criar factoides para talvez justificar a inabilidade de passar ao prefeito eleito as informações que lhe permitam iniciar a gestão com a necessária segurança e a responsabilidade que Petrolina merece.

A vereadora Maria Helena poderia mergulhar nos números e ver que seus aliados estão recebendo um governo muito melhor do que entregaram. Vejamos alguns exemplos.

O nível de endividamento foi reduzido enormemente já que a antiga dívida com o BNDES para a construção de um teatro e a pavimentação de ruas foi 100% paga, o que custou ao povo de Petrolina mais de 36 milhões. Neste interim, aproveito para perguntar a Vereadora, onde foi construído esse teatro?

Nesta exitosa gestão, houve uma redução da dívida de precatórios em cerca de 22 milhões.

Temos uma recuperação das contas da previdência municipal, onde o IGEPREV tinha um saldo de R$ 22.000.000,00 na gestão do PSB e atualmente já supera a casa dos R$ 130.000.000,00, mesmo fazendo face a uma folha de aposentadorias e pensões de aproximadamente R$ 2.000.000,00 ao mês, pagas sempre em dia nos últimos oito anos, diferentemente do que antes ocorria.

Na saúde, muitos foram os avanços. Tivemos um aumento sensível na realização de consultas, exames e cirurgias, bem como na estruturação da atenção básica. Para se ter uma ideia, em 2009 tínhamos 10 médicos na atenção básica e hoje chegamos a 115 médicos.

E como não reconhecer os avanços na Educação, quando Petrolina apresenta ainda o melhor IDEB do nosso estado, estando à frente de 20 capitais, inclusive à frente de Recife que é administrada pelo PSB. E Petrolina ainda conta com um programa de educação infantil reconhecido mundialmente, o exitoso Programa Nova Semente, que cuida com esmero das nossas crianças.

Nestes oito anos Petrolina trouxe o maior programa habitacional em termos proporcionais do Brasil, com a entrega de cerca de 15 mil unidades habitacionais do Programa Minha Casa Minha Vida, o que representou injeção de mais de 1 bilhão de reais na nossa economia.

Vale salientar que o Prefeito Lossio ainda deixa uma série de convênios assinados e aprovados pelos Ministérios em Brasília, a exemplo de 100 milhões destinados a obras de mobilidade (VLT ou BRT).

A Vereadora que, com certa frequência, parece gostar de se confundir e trocar as palavras, sequer sabe o nome do Secretário Municipal com quem ela despachou, trocando Geraldo Junior por Geraldo Julio, também se confundiu em relação às contratações municipais.

Na questão relativa a suposta existência de 13 mil contratos, é bom que se esclareça que na verdade a vereadora se refere a processos judiciais, cujo acompanhamento é feito pela Procuradoria Geral do Município, ao tempo em que chamo atenção para o fato de que nunca houve em Petrolina um sistema de informática contratado especificamente para fins de controle do andamento processual, o que vem sendo feito pelos servidores que se utilizam com eficiência das ferramentas disponíveis gratuitamente.

As críticas, nesse ponto, são irrelevantes para o governo que finda e em nada contribuem para o processo de transição.

O temor da Vereadora é de que o futuro prefeito assuma as finanças do Município, a partir de janeiro de 2017, tal qual o atual Prefeito atual as recebeu de seus antecessores, “com dívidas da ordem de R$ 95,6 milhões (R$ 31 milhões de Previdência; R$ 36,2 milhões do BNDES; R$ 14,4 milhões da COMPESA; R$ 14 milhões de precatórios; etc.), às quais se somaram os maiores valores de precatórios, também decorrentes da gestão 2005/2008, em cuja relação apenas duas empresas (uma empreiteira e um curtume) representam 58%, aproximadamente R$ 30 milhões, da dívida de precatórios consolidada (TJPE, Instrução de Serviço nº 01/2016)”, conforme já divulgado em nota anterior emitida pela equipe de transição do governo Lossio.

Considerando que Julio Lossio assumiu o Município com uma dívida próxima do montante de R$ 106 milhões, conforme acima demonstrado, mesmo que verdadeira fosse a alegação do Coordenador da Equipe de Transição de Miguel Coelho, de que se deixaria uma dívida de R$ 42,9 milhões, isto por si já demonstra a boa gestão municipal nestes últimos oito anos, que conseguiu reduzir as dívidas herdadas e avançar tanto em setores como saúde, educação, mobilidade, infraestrutura, apesar das crises econômicas que assolaram o Brasil, servindo até de alento ao novo prefeito, sobretudo quando se compara esses valores às receitas correntes dos períodos compreendido entre 2008 e 2016.

Com todo o respeito, necessário dizer que a vereadora precisa, de fato, descer do palanque e desarmá-lo e, via de consequência, olhar para a frente, pois Petrolina espera e merece ver cumpridas as promessas de campanha do prefeito eleito. Como vereador de oposição, estarei atento às ações da nova gestão e na defesa desse pacto assumido com nossa gente, sempre pensando e trabalhando pelo bem do Município e da população petrolinense.

Paulo Valgueiro

Vereador Eleito

PMDB

Deixe uma resposta