Especial: apesar de perfis distintos, MEIs compartilham de um mesmo sonho

(Foto: Divulgação/Sebrae)

Na terceira e última matéria sobre os microempreendedores individuais (MEI), o Blog traz nessa quarta-feria (19) um perfil desses profissionais. Por existir uma gama de áreas, pessoas com ou sem escolaridade buscam apoio no Sebrae de Petrolina, em busca de orientações.

Segundo a trainee Layane Macedo, não existe um perfil definido de microempreendedor individual: há pessoas com nível superior completo, assim como pessoas sem alfabetização e por isso é necessário receber as orientações do Sebrae sobre a formalização.

LEIA TAMBÉM:

Especial: oficinas e cursos gratuitos orientam MEIs que ainda não se formalizaram

Especial: Nordeste se destaca na formalização de MEIs, Petrolina tem mais de 12 mil profissionais

Apesar da formação escolar distinta, um problema em comum é percebido. “Muitos enfrentam dificuldades em separar as finanças da empresa e as pessoais, muitos deles não se enxergam como empresa. Por isso é importante participar dessas formações, comenta a trainee do Sebrae Petrolina.

Palestra é oferecida de forma gratuita no Sebrae (Foto: Blog Waldiney Passos)

Mototaxista, William Carvalho foi um dos profissionais a participar de uma palestra gratuita sobre o que é ser MEI. Mesmo filiado à uma associação, ele acha importante ter sua formalização como pessoa jurídica.

“A comodidade e você ter sua própria renda. Eu quero contribuir de uma forma que eu possa fazer individual, eu resolver eu mesmo, sem precisar de uma empresa. O Sebrae foi uma indicação, como trabalhamos de mototáxi você tem que pagar o FGTS. Procurei o Sebre pra saber como me tornar um MEI”, disse ao Blog.

Médico veterinário formado há três ano, Leniker Souza sentiu necessidade de ir até a unidade. “Foi a primeira vez que vim e estou tentando me tornar um empresário. Estou pensando em abrir meu pet shop e foi aí que decidi procurar ajuda”, afirmou.

Já Gracilda Joana Rodrigues é vendedora ambulante há oito anos e não possuía CNPJ. Orientada por colegas, ela foi ao Sebrae a procura dos seus direitos. “Acredito que vou ter [mais direitos] e vou estar mais informada sobre quais são os meus direitos como trabalhadora, de ter conhecimentos e trabalhar melhor na área que eu gosto”, destacou.

Deixe uma resposta