Especialistas dos EUA que investigam zika no Brasil criticam laboratórios do País

aedes

Integrantes do Centro de Controle de Doenças (CDC) que vieram ao Brasil para colaborar com as investigações da epidemia de nascimentos de bebês com microcefalia criticaram as condições dos laboratórios públicos do País. No encerramento de uma visita de quatro dias, técnicos fizeram elogios à equipe técnica, mas disseram estar penalizados com as condições dos laboratórios nos Estados. “Num país tão grande, é uma pena”, comentou um dos participantes do grupo.

Diante do aumento de casos suspeitos, o Instituto Evandro Chagas (IEC), referência para esse tipo de pesquisa, está sobrecarregado. O atraso na liberação de resultados é visto como uma ameaça à agilidade na avaliação da epidemia e a até mesmo a definição dos rumos a tomar. A ideia do governo é ampliar os centros credenciados para fazer as análises. Já está definida a realização de cursos de capacitação para equipes de outros laboratórios e a compra de insumos necessários para fazer os testes de identificação do zika, vírus que é associado ao aumento súbito do número de nascimentos de bebês com a má-formação.

A equipe visitou ao longo destes dias centros de atendimento e analisou as linhas de investigação que estão em curso em Pernambuco, Estado que concentra 646 dos 1.248 casos suspeitos da má-formação no Brasil.

Deixe uma resposta