Especialistas em Direito de Trânsito falam sobre importância da campanha Maio Amarelo

Mayara Alencar e Laylla Andrade. (Foto: Blog Waldiney Passos)

Com o objetivo de chamar a atenção da sociedade para o alto índice de acidentes e mortes no trânsito, todos os anos a campanha “Maio Amarelo” invade avenidas, rodovias, escolas e instituições em defesa da vida. Período em que poder público e sociedade civil se unem em prol de uma mesma causa, envolvendo os mais diversos segmentos.

Em Petrolina (PE), só no ano passado, o Hospital da Universidade Federal do Vale do São Francisco (HU-Univasf), conhecido popularmente como Hospital de Traumas, atendeu a 7.690 vítimas de acidentes de trânsito. De acordo com o Hospital, 54% das vítimas eram homens com idade entre 20 e 39 anos. Os fatores mais comuns relacionados aos acidentes foram: excesso de velocidade e alcoolemia.

Para falar sobre a 6ª edição da campanha, que este ano tem como tema: “No trânsito o sentido é a vida”, bem como especificamente sobre o direito de trânsito, o Blog Waldiney Passos entrevistou Laylla Andrade e Mayara Alencar, advogadas, especialistas nessa área jurídica.

“O Maio Amarelo foi pensado simbolicamente pela questão da atenção, e advertência no trânsito. Nós buscamos sempre orientar os condutores a usar o cinto de segurança, respeitar a faixa de pedestre, e se beber não dirigir. As pessoas precisam se conscientizar”, ressalta Layla Andrade.

Sobre a atuação voltada para o trânsito Mayara Alencar ressalta que a defesa do condutor, deve ser  norteada pela legalidade e não pela impunidade. “A demanda de casos  é crescente na região de Petrolina, nós achamos necessário atuar na área de trânsito, tendo em vista que os condutores precisavam de um norte, de uma defesa. As pessoas ainda desconhece os direitos que elas possuem”, afirma.

“A gente defende a legalidade do auto de infração, não é a impunidade. Tendo em vista que o direito de trânsito é um direito coletivo, nós temos que pensar na sociedade como um todo. Um acidente de trânsito gera danos à sociedade, e uma infração, a depender da gravidade, gera um dano na família, a exemplo de infrações auto suspensivas, que podem atrapalhar a vida de pais e mães de família que dependem da CNH para trabalhar”, completou.

De acordo com as especialistas, o direito de trânsito se revela como orientador e educador, princípios que regem o Maio Amarelo. “O recado é que o condutor tenha prudência, respeitar as leis de trânsito, é sobretudo, respeitar a sua vida”, finaliza Layla.

Deixe uma resposta