Ex-donos da Avianca são presos em mais uma fase da operação da Lava Jato

Os irmãos José (esq.) e Germán Efromovich. (Foto: Divulgação)

Os empresários Germán Efromovich e José Efromovich, donos do estaleiro Eisa – Ilha S.A., foram presos em São Paulo na manhã desta quarta-feira (19), no âmbito da Operação Lava Jato. Os dois são ex-donos e atuais acionistas da Avianca Holdings, mas esta não aparece nas investigações.

A 72ª fase da operação investiga fraudes em licitações e pagamento de propina envolvendo executivos da Transpetro (subsidiária de transporte da Petrobras) e do estaleiro, localizado na Ilha do Governador, zona norte do Rio de Janeiro.

As investigações apontam que o Eisa firmou contratos para a construção de navios para a Transpetro. Os irmãos Efromovich – que também são donos de outro estaleiro em Niterói, região metropolitana do RJ – são investigados pelo pagamento de mais de R$ 40 milhões de propina a altos funcionários da Transpetro.

Segundo a CNN, os mandados de prisão foram cumpridos no bairro de Santa Cecília, centro de São Paulo. Segundo o Ministério Público Federal, as prisões eram preventivas, mas foram convertidas em domiciliar, em razão da pandemia de Covid-19.

Os dois estaleiros em nome dos empresários não estão em funcionamento desde 2015 e pediram recuperação judicial.

Em nota, a Transpetro disse que “desde o princípio das investigações, colabora com o Ministério Público Federal e encaminha todas as informações pertinentes aos órgãos competentes”. “A companhia reitera que é vítima nestes processos e presta todo apoio necessário às investigações da Operação Lava Jato.”

A Polícia Federal informou que parte dos envolvidos pagou “vantagem indevida” a executivos da Transpetro em troca de favorecimento e direcionamento do estaleiro em licitação para obtenção de um contrato milionário, para a construção e fornecimento de navios. Uma dessas embarcações era o modelo Panamax, cujo valor total combinado foi de mais de R$ 857 milhões.

A PF afirmou ainda que a contratação teria sido feita, inclusive, desconsiderando estudos de consultorias que apontavam que o estaleiro em questão não tinha condições técnicas e financeiras adequadas para construir os navios.

Segundo o MPF, as ações ilícitas causaram um prejuízo de mais de R$ 611,2 milhões à Transpetro.

Deixe uma resposta