Ex-ministro de Lula e Dilma, Palocci afirma que Lula deu aval de propina de R$ 300 milhões da Odebrecht para PT

Palocci depõe para o juiz Sérgio Moro. (Foto: Reprodução)

O ex-ministro da Fazenda do governo Lula e ex-ministro chefe da Casa Civil do governo Dilma, Antônio Palocci Filho foi ouvido na ação na qual o ex-presidente Lula é acusado de ter recebido da Odebrecht um terreno de R$ 12,4 milhões destinado a ser a nova sede do Instituto Lula e um apartamento de R$ 540 mil em São Bernardo do Campo (SP).

Palocci confirmou que a acusação do Ministério Público Federal era verdadeira e que fez tudo com o aval de Lula. Segundo ele, a compra disfarçava propina ao ex-presidente. Palocci e Marcelo Odebrecht teriam ficado preocupados achando que as autoridades podiam desconfiar da transação.

Durante seu depoimento, Palocci afirmou que Emílio Odebrecht propôs a Lula um “pacto de sangue” para manter o protagonismo da empresa não só nos contratos da Petrobras, mas em todo o governo. O acordo previa a reforma do sítio de Atibaia, a compra do terreno da nova sede do Instituto Lula e R$ 300 milhões de vantagens indevidas à disposição de Lula e do PT.

A defesa do ex-presidente Lula afirma que Antonio Palocci, “preso e sob pressão”, fez “acusações falsas e sem provas” enquanto negocia acordo de delação premiada com o Ministério Público Federal.

Confira o trecho em que Palocci fala sobre o “pacto de sangue” firmado entre Lula e a Odebrecht. O vídeo completo pode ser acessado clicando aqui.

Deixe uma resposta