Exploração arqueológica no Projeto São Francisco beneficia pesquisa científica

 

Os vestígios patrimoniais coletados em campo são objeto de pesquisa para os pesquisadores e para estudantes da área de arqueologia, paleontologia e ambiente do semiárido/Foto: divulgação

Os vestígios patrimoniais coletados em campo são objeto de pesquisa para os pesquisadores e para estudantes da área de arqueologia, paleontologia e ambiente do semiárido/Foto: divulgação

Os investimentos para garantir a atenção que a ciência exige a todos os bens arqueológicos encobertos no caminho dos canais e infraestruturas do Projeto de Integração do Rio São Francisco, no sertão brasileiro, ganharam um reforço de R$ 2,3 milhões. Os recursos foram destinados ao aparelhamento de laboratórios da Fundação Museu do Homem Americano (Fumdham) e do Instituto Nacional de Arqueologia, Paleontologia e Ambiente do Semiárido (Inapas), todos eles voltados a pesquisas arqueológicas na área de atuação do projeto.

O aporte de recursos permitiu a aquisição de equipamentos para análise especializada nos laboratórios de vestígio lítico, de cerâmica, registros rupestres, paleontologia do Quaternário, geoarqueologia e também na área de processamento de dados. Outra parte do investimento foi utilizada para incrementar as atividades de campo e do laboratório de energia nuclear, com equipamentos específicos que reforçam a precisão de dados coletados pelas equipes.

Foram adquiridos scanners especiais, microscópios, câmeras digitais de alta resolução e computadores para o processamento de imagens e com grande capacidade de armazenamento de dados. Os equipamentos têm uso específico. O laboratório de registros rupestres, por exemplo, recebeu escâneres laser que estão vinculados a receptores de GPS e estações totais; são dispositivos topográficos de precisão usados para o georreferenciamento das capturas feitas por eles. Todos os itens beneficiam instituições públicas e federais.

Os pesquisadores que atuam no Projeto São Francisco são membros da Fumdham e do Inapas, que integra os Institutos Nacionais de Ciência e Tecnologia (INCT), do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). Os vestígios patrimoniais coletados em campo são objeto de pesquisa para os pesquisadores e para estudantes da área de arqueologia, paleontologia e ambiente do semiárido.

Com informações do Ministério da Integração

 

Deixe uma resposta