Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!

Feira de Santana e Vitória da Conquista aparecem entre as 20 cidades mais violentas do mundo

Feira de Santana é a 19ª cidade mais perigosa do mundo. (Foto: Internet)

Segundo ranking divulgado pela organização de sociedade civil mexicana Segurança, Justiça e Paz – que faz o levantamento anualmente das cidades mais violentas do mundo com base em taxas de homicídios por 100 mil habitantes –, Feira de Santana e Vitória da Conquista, ambas na Bahia aparecem entre as 20 cidades mais violentas do mundo. O Brasil é o país com o maior número de cidades entre as 50 áreas urbanas mais violentas.

Vitória da Conquista aparece na 11ª colocação com uma taxa de 70,26 homicídios a cada mil habitantes. Feira de Santana é a 19ª cidade mais perigosa do mundo com uma taxa de 58,81. A capital Salvador é a 25ª no ranking, com 51,58, três posições a menos que a capital pernambucana. Recife aparece em 22º com 54,96.

A Segurança, Justiça e Paz diz que elabora o ranking com “o objetivo político cidadão de chamar atenção à violência nas cidades, sobretudo na América Latina, para que governantes se vejam pressionados a cumprir com seu dever de proteger os governados e garantir seu direito à segurança pública”.

A organização usa como critério a taxa de homicídios por 100 mil habitantes oficial em cidades de 300 mil habitantes ou mais, além de fontes jornalísticas e informes de ONGs e organismos internacionais.

Brasil com 17 cidades entre as 50 mais violentas

São 17 cidades brasileiras com mais de 300 mil habitantes listadas no ranking, que é encabeçado pela mexicana Los Cabos (com 111,33 homicídios por 100 mil habitantes em 2017) e pela capital venezuelana, Caracas (111,19).

Natal (RN) aparece em quarto lugar, com 102,56 homicídios por 100 mil habitantes – para se ter uma ideia, a Organização Mundial da Saúde (OMS) considera uma taxa acima de 10 homicídios por 100 mil habitantes como característica de violência epidêmica.

Deixe uma resposta