Fiocruz Pernambuco investiga se muriçoca pode transmitir Zika

muriçoca

A Fiocruz Pernambuco pretende descobrir nas próximas semanas se há relação de transmissão do Zika e o Culex, nome científico da muriçoca. Na semana que vem será divulgado o resultado de um estudo iniciado no ano passado sobre o assunto.

 Além da relação entre o zika e o Culex, o centro de pesquisas investiga ainda quanto tempo o vírus leva para ser replicado no organismo do Aedes aegypti, principal vetor conhecido até agora. O resultado pode explicar a velocidade da epidemia de infecções e revelar um novo cenário epidemiológico da doença no Brasil.

A iniciativa para a realização da pesquisa no Recife veio da observação dos primeiros registros de epidemia do vírus, na Micronésia e na Polinésia Francesa. “Nestes lugares não são encontrados Aedes aegypti, desconfiaram que seria outra espécie do Aedes, mas não acharam nenhum mosquito infectado em campo. Nestes locais, no entanto, o Culex é abundante, mas essa hipótese de ele ser um vetor do vírus não foi estudada ainda”, explica a vice-presidente e pesquisadora da Fiocruz Pernambuco, Constância Ayres.

Para confrontar a hipótese, 200 muriçocas foram infectadas pelo vírus em laboratório duas vezes – uma no começo e outra no fim de dezembro de 2015. O próximo passo é colher materiais do intestino e da glândula salivar das muriçocas. “Estamos aguardando alguns reagentes que serão importados e dependemos disso para continuar. O prazo é de 15 dias e se correr dessa forma acredito que em três semanas teremos o resultado”, explica Ayres.

Deixe uma resposta