Funcionária questiona motivo para unidades escolares continuarem abertas, mesmo após decreto da Prefeitura de Petrolina

SEDUCE explicou situação (Foto: ASCOM)

A decisão de suspender as aulas na rede municipal de ensino de Petrolina a partir desta quarta-feira (18) é uma medida preventiva da Prefeitura na luta contra o coronavírus. Porém, algumas servidoras da Educação estão questionando o fato de as unidades escolares continuarem abertas.

LEIA TAMBÉM

Miguel decreta estado de emergência; Petrolina tem nove casos suspeitos de coronavírus e três de H1N1

Auxiliares de cozinha e de serviços gerais, juntamente com as coordenadoras continuarão trabalhando normalmente mesmo com aulas suspensas. “Por que precisamos trabalhar em uma unidade vazia, já que fomos contratados para servir as crianças? Ele decreta a suspensão das atividades e de alguns profissionais, mas e os nossos filhos com quem ficarão?”, questionou uma funcionária que preferiu não se identificar.

Outro lado

O Blog Waldiney Passos entrou em contato com a Prefeitura de Petrolina. Através de nota a Secretaria de Educação, Cultura e Esportes (SEDUCE) explicou a situação. A suspensão das aulas anunciada ontem (16) pelo prefeito Miguel Coelho (MDB) busca reduzir a aglomeração de pessoas, todavia, os serviços estão mantidos.

“A suspensão das aulas tem o objetivo de reduzir a aglomeração de pessoas nos prédios escolares (estudantes, profissionais em Educação e familiares) visando o bem coletivo. Essa medida reduz o número de pessoas circulando nas unidades seguindo o determinado no decreto (até 100 pessoas). A determinação no presente momento é suspender somente as aulas, no entanto as unidades escolares continuam funcionando na esfera administrativa, ainda que em horário e número de funcionários reduzido, a fim de garantir que as famílias que precisam de declarações de manutenção de benefícios consigam o atendimento“, destaca a nota.

Deixe uma resposta