Governo monitora lama de dejetos que pode atingir o Rio São Francisco

Barragem de Retiro de Baixo (Foto: Furnas)

A lama de rejeitos da barragem de Brumadinho (MG) atingiu o rio Paraopeba, um dos principais afluentes do rio São Francisco. Apesar disso, o governo espera que as barragens nos estados consigam amortecer a onda de rejeitos de minério e não impactem o Velho Chico.

O maior obstáculo é o reservatório da Hidrelétrica Retiro de Baixo, localizado a 220 km do acidente em Brumadinho, cuja previsão é que a lama alcance o local em até dois dias. Por precaução o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) determinou a interrupção da operação da usina.

LEIA TAMBÉM:

Rejeito de Brumadinho ameaça um dos principais afluentes do Rio São Francisco

Barragem da empresa Vale do Rio Doce se rompe em Brumadinho (MG)

A hidrelétrica pertence à Cemig e Furnas. A avaliação do ONS é que o acidente não terá impacto significativo nem causará problemas para a operação do sistema elétrico do país. Furnas também monitora a possibilidade de a onda de rejeitos atingir a usina de Três Marias.

O rio Paraopeba deságua no rio São Francisco, que é a principal fonte de captação de água de diversas outras cidades no Norte de Minas. O serviço de água e Esgoto da cidade de Três Marias afirma que vai esperar entre 48h a 72h para verificar se os dejetos da barragem chegarão até o local.

Cidades em estado de alerta

Pelo menos cinco cidades próximas de Brumadinho já emitiram alerta sobre os riscos de a lama atingir a cidade. Entre elas Mário Campos, São Joaquim de Bicas, Betim, Juatuba e Florestal. Nesses municípios, equipes das defesas civis estão empenhadas em evacuar as margens do Paraopeba.

Monitoramento

Nossa produção tentou contato com o Comitê da Bacia Hidrográfica do São Francisco (CBHSF) solicitando informações a respeito do monitoramento do Velho Chico, porém não tivemos retorno. Com informações de Gazeta Online.

Deixe uma resposta