Guilherme “o Coelho na sala” de Júlio Lossio

Marcelo Damasceno 3

O radialista e jornalista Marcelo Damasceno nos enviou um artigo sintetizando o embate político que culminou com as duas eleições do prefeito Júlio Lossio, fazendo uma analogia com o cenário atual em que a recíproca parece não ser verdadeira.

Lei íntegra do artigo:

O vice prefeito de Petrolina-PE, Guilherme Coelho (PSDB) já governou esta cidade por duas vezes. Elegeu-se em 1988 a primeira vez contra todos os prognósticos da época. Era improvável aquele candidato tenro e desconhecido bater o popularíssimo Diniz Cavalcanti.

Destacado pelo colete de seu pai, Osvaldo Coelho que polarizava forças com o sobrinho rebelado, hoje senador, Fernando Bezerra Coelho (PSB PE). Guilherme desmoralizou os institutos de pesquisa e convenceu o próprio palanque que durante a campanha eleitoral pedia voto quase de “cabeça baixa” e até ridicularizado por uma hegemônica e barulhenta militância do PMDB que consagrou a volta de Miguel Arraes. Este, chegara do exílio virando governador em 1986 em zona de conforto e numa rede de pano. Rede cearense. Guilherme derrotaria esse mito. Candidato inexperiente e com difícil quadro eleitoral,  venceu tudo isso.

Guilherme derrotou todo esse palanque da Frente Popular e consagrou a urna em 1988 com vantagem mínima de pouco menos de 800 votos. Depois reelegeu-se em segundo mandado corria o ano de 1996.

O atual prefeito Júlio Lossio (PMDB) em 2008 foi aposta de Osvaldo Coelho numa batalha da “Guararapes” contra a remanescente “arraesista” incorporada a FBC e Eduardo Campos.

Enquanto o PSB discutia e perdia-se nessa autofagia cartorial, Lossio comia a beirada depois da “7 de Setembro”. Nova tática de Osvaldo com liturgia do hoje deputado Jarbas Vasconcelos que controla com mão de aço o PMDB e Lossio adquiria esse espólio eleitoral que Guilherme perderá por pusilanimidade. Lossio aproveitou o cavalo selado e moveu todo fichário do DEM para seu núcleo político. E com isso foi abrindo uma trincheira para implodir na corte de Osvaldo toda sua linhagem. Inclusive seu hoje vice prefeito Guilherme. Hoje seu competitivo inimigo oculto.

Lossio apropriou-se eleitoralmente da fatia eleitoral que poderia está sendo a infantaria “Guilhermista”. Conseguiu mover essa titularidade com cargos e toda logística de poder e uma caneta referendada por eleitores dantes da agremiação centro-direita de Osvaldo e Guilherme.

Agora Guilherme ensaia pré candidatura e da vitrine ao fogo “inimigo” com Júlio Lossio em franca artilharia. Lossio há tempo vem dissolvendo todos os espaços e conotação midiática do seu vice, Guilherme, que virou “um Coelho na sala” do prefeito.

Jornalista Marcelo Damasceno. De Petrolina-PE.

Deixe uma resposta