Histórias de superação são destaque na Caminhada e Corrida de Rua Outubro Rosa

Emmanoela Sena  foi diagnosticada aos 37 anos com câncer de mama (Foto: Arquivo pessoal)

Emmanoela Sena foi diagnosticada aos 37 anos com câncer de mama (Foto: Arquivo pessoal)

A quinta edição da Caminhada e Corrida de Rua Outubro Rosa realizada este mês também serviu de palco para histórias de superação e vitória. O evento que acontece todos os anos em alerta à prevenção do câncer de mama, doença que mais acomete as mulheres no mundo, contou com a presença de veteranos que também enfrentaram o câncer.
Diagnosticada aos 37 anos com câncer de mama, Emmanoela Sena foi surpreendida pelo diagnóstico. “Minha vida era agitada, corrida e sempre dizia que não tinha tempo para nada. Fui diagnosticada em abril de 2015, aos 37 anos. Eu que descobri o nódulo, fazendo auto exame”, contou Emmanoela que mesmo não praticando atividades físicas regularmente, como indicam os médicos, participava da caminhada e corrida de rua. 
Já este ano, a campanha teve um diferencial para os amigos, familiares e principalmente para Emmanoela. “Ano passado fiz minha inscrição, mas não pude participar, porque tinha quimioterapia agendada para o dia seguinte logo cedo. Esse ano assim que abriram as inscrições, eu fiz a minha. Tinha que participar de qualquer forma!. A emoção tomou conta de mim durante todo o percurso. Fiz os 5 km de caminhada, agradecendo a Deus, teve um sabor especial essa minha participação. Depois de ter passado por todo o processo (quimioterapia, cirurgia e radioterapia), finalizar a caminhada foi como fechar o ciclo. Venci o câncer de mama!”.
Já o Gabriel que tem apenas cinco anos, foi diagnosticado com leucemia e é acompanhado pela equipe médica do Centro de Oncologia/Apami desde os primeiros meses de vida. Gabriel ainda está em tratamento, mas ele e os pais fazem questão de participar todos os anos. “É sinônimo de vitória cada corrida. Sempre participamos pensando, vencemos mais um ano e assim o Gabriel vai crescendo e se fortalecendo”, contou a mãe Solange.

Texto: Ascom/Juciana Cavalcante

Deixe uma resposta