HU-Univasf promove mais uma edição do “Dia C” para combate ao câncer de pele

(Foto: Internet)

A Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD), em parceria com o Hospital da Universidade Federal do Vale do São Francisco (HU-Univasf), promove, anualmente, o “Dia C – Dia de Combate ao Câncer de Pele”, oferecendo consultas ambulatoriais gratuitas para pacientes com suspeita da doença. Neste ano, o mutirão acontecerá no dia 01 de dezembro, das 9h às 13h, na Policlínica do HU-Univasf.

Este é o terceiro ano de realização da ação em Petrolina (PE). Na última edição, foram atendidas cerca de 350 pessoas que passaram por consultas e procedimentos cirúrgicos para tratar as lesões. O projeto contará com a colaboração de dermatologistas e cirurgiões, além de residentes e estudantes de medicina da Univasf que trabalharão de forma voluntária.

As pessoas que tiveram algum tipo de lesão ou mancha suspeita na pele deverão procurar a Policlínica, localizada na Rua André Vidal de Negreiros, s/n, bairro Maria Auxiliadora, no dia da ação, para passar pela avaliação dos profissionais. Não é necessário marcar antecipadamente a consulta.

“O melanoma costuma se manifestar através de manchas ou pintas, com bordas irregulares, que mudam de cor ou tamanho e que podem sangrar. Já em relação aos outros tipos câncer de pele, são sempre lesões que não cicatrizam, muito mais comuns na face. De repente, surge aquela lesão que começa a sangrar espontaneamente. Quem apresentar sinais com essas características deve procurar um médico. ”, explicou a dermatologista, Paulyane Ramos.

Segundo a especialista, na maioria dos casos, o procedimento cirúrgico é o tratamento mais indicado. Durante o mutirão, serão disponibilizados procedimentos cirúrgicos e os demais casos serão encaminhados para as unidades de saúde referência em oncologia.

Câncer de pele

O câncer de pele é o mais comum entre todos os tipos de câncer. O Instituto Nacional do Câncer (INCA) registra, a cada ano, 135 mil novos casos, representando cerca de 25% de todos os diagnósticos de câncer no Brasil.

Pessoas que tomaram muito sol ao longo da vida sem proteção adequada têm um risco maior de desenvolver a doença. Isso porque a exposição solar desprotegida agride a pele, causando um crescimento anormal e descontrolado das células que a compõem.  Essas alterações celulares podem levar ao câncer.

Deixe uma resposta