IML revela que morte de voluntário da Coronavac não teve relação com a vacina

Laudo do Instituto Médico Legal (IML) aponta que a morte de um voluntário dos testes da vacina Coronavac não tem relação com a vacina. A informação foi antecipada pela TV Cultura, nesta terça-feira (10).

Os testes da vacina, produzida em parceria entre a farmacêutica chinesa Sinovac e o Instituto Butantan, foram interrompidos, nessa segunda-feira (9), pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) por causa da morte do voluntário. O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) celebrou a pausa nos testes, no que chamou de “vitória” pessoal sobre o governador de São Paulo, João Doria (PSDB).

“O que os médicos não podem dizer em nome da ética médica mas nós, jornalistas, devemos dizer em nome do interesse público e do combate às informações falsas é o seguinte: o evento adverso, que como explicado na coletiva de imprensa [do Instituto Butantan], é uma forma da literatura médica se referir a acontecimentos não relacionados ao que está em testes, não tem necessariamente relação com a vacina, diz respeito a um voluntário que tirou a própria vida”, afirmou o âncora do Jornal da Tarde, Aldo Quiroga.

Segundo a TV Cultura, o laudo do IML deverá ser divulgado às 17h desta terça-feira e irá confirmar a causa da morte do voluntário.

O diretor do Butantan, Dimas Covas, em entrevista coletiva de imprensa nesta terça, ressaltou novamente que a Coronavac é segura e reiterou que a morte do voluntário não está relacionada ao imunizante.

“Nós estamos tratando aqui de um evento adverso grave que não tem relação com a vacina. Essa informação está disponível à Anvisa desde o dia 6, quando foi notificado o evento adverso grave”, afirmou.

Deixe uma resposta