Instituto nega participação de Lula em esquema: “Atuou dentro da lei”

O petista afirmou que foi alvo de uma “devassa” por parte dos procuradores da República e que nada contra ele foi encontrado/Foto:arquivo

O petista afirmou que foi alvo de uma “devassa” por parte dos procuradores da República e que nada contra ele foi encontrado/Foto:arquivo

Em uma nota publicada no site, no início da tarde desta sexta-feira (20/5), o Instituto Lula deu seu posicionamento sobre a “Operação Janus” da Polícia Federal, que tem como alvo Taiguara Rodrigues dos Santos, sobrinho de sua primeira mulher. O petista afirmou que foi alvo de uma “devassa” por parte dos procuradores da República e que nada contra ele foi encontrado.

Os mandados da Operação Janus, deflagrada hoje pela Polícia Federal, investigam se o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva praticou tráfico internacional de influência a favor da Construtora Norberto Odebrecht. O petista não foi alvo dos mandados, mas Taiguara Rodrigues, amigo de seu filho e sobrinho da sua primeira mulher, foi conduzido coerticivamente em Santos (SP) para prestar depoimento.

Em Santos, os policiais cumpriram as demais ordens do juiz da 10ª Vara Federal de Brasília, Vallisney Oliveira: quatro mandados de busca, dois de condução, cinco de intimação e quebras de sigilos bancários, fiscais e de dados telemáticos, como mensagens de celular e email, de nove investigados.


Leia a íntegra da nota do Instituto Lula:

Há mais de um ano alguns procuradores da república no Distrito Federal tentam, sem nenhum resultado, apontar ilegalidades na conduta do ex-presidente Lula.

Uma investigação aberta a partir de ilações fantasiosas transformou-se em verdadeira devassa sobre a contabilidade do Instituto Lula, da empresa LILS Palestras e sobre as contas do ex-presidente.

Os procuradores vasculharam as viagens internacionais de Lula, quem o acompanhou, os hotéis em que se hospedou, com quem ele conversou no exterior.

E o resultado apenas comprova que Lula sempre atuou dentro da lei, em defesa do Brasil, como fazem ex-presidentes em todo o mundo.

Por isso mesmo, Lula não é parte da operação policial desta manhã, nem poderia ser.

Com informações do Correio Braziliense

Deixe uma resposta