Jornalista Marcelo damasceno afirma que eleitor petrolinense não vincula candidatos à escândalos

Marcelo DamascenoA liderança dos deputados Adalberto Cavalcanti (federal) e Odacy Amorim (estadual) na primeira pesquisa registrada e divulgada no início da semana pelo Instituto Opinião/Magno Martins, é vista pelo jornalista Marcelo Damasceno como uma prova que o bombardeio da imprensa sobre Dilma, Lula e companhia, não atinge seus aliados já que os dois parlamentares fazem parte da base governista, ou seja, o eleitor petrolinense não vincula a pauta educadora da imprensa com o diário de um palanque visado pelo malefício da informação facciosa.

Confira a íntegra do texto:

Tanto o deputado federal, Adalberto Cavalcante (PMB/PE) quanto o deputado estadual, Odacy Amorim ( PT /PE) são da base política do governo Dilma Roussef. Eles se desentenderam, faz pouco tempo, e, pessoalmente. Mas, fizeram dobradinha vitoriosa em 2014 e uma colisão de acordo partidário, às vésperas dessa eleição. E Petrolina informalmente indicava essa tendência da pesquisa científica sob a pesquisa do “achismo”.

CABELO E BARBA (??)

E agora? Eles são de um governo linchado pela grande imprensa, pela manhã, à tarde e à noite. De madrugada também. A imprensa bate em Dilma, bate no PT, e dá sova todo dia em Lula. Lideram com 60 por cento da intenção de votos, hoje. Adalberto, 30,3 e Odacy, 28,8 por cento dessa opção da pesquisa estimulada, segundo o OPINIÃO/Magno Martins.

Os escândalos são didaticamente pautados numa sincronia cartesiana entre jornais e tevês do eixo da ditadura midiática. A propaganda dos escândalos não comete mais atrocidades porque a imprensa pequena, reage, pela internet aliada às redes sociais informadas e de considerável escolaridade e senso.

Essa é a resposta da pesquisa confirmando uma tendência eleitoral em Petrolina por dois prefeituráveis avaliados como populistas pela ciência política. Mostram blindagem política ante a enxurrada de desconstrução planejada de uma imprensa oligarca e de concorrência desleal, porém patética, quando o MONSTRO, a opinião pública resolve acordar e levantar da cama. E gritar.

Esse quadro incólume e que garante uma liderança confortável de homens atacados indiretamente pela mídia implacável e anti-petista de reconhecida má vontade com Dilma. E com Lula.

O eleitor petrolinense não vincula a pauta educadora da imprensa com o diário de um palanque visado pelo malefício da informação facciosa. E partidária, da oposição pouco ética, em nome da notícia cirurgiada, plasticamente.

Adalberto e Odacy, lideram uma corrida eleitoral num empate técnico segundo o INSTITUTO OPINIÃO, encomendado pelo JORNALISTA e blogueiro Magno Martins.

Escrevi, Marcelo Damasceno.

Deixe uma resposta