Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!

Leitor reclama de pó de cana queimada da Agrovale que invade residências do Loteamento Terras do Barão, em Juazeiro

“Até quando vamos ter que viver dessa maneira?”, questiona leitor. (Foto: Breno Fonseca)

Um leitor procurou o blog, nesta terça-feira (22), para reclamar da sujeira causada pela fuligem liberada pela queima de cana da Agrovale, em Juazeiro. Além da sujeira, preocupa os problemas respiratórios causados pelo o pó de cana.

Veja o texto na íntegra:

“Venho por meio deste, pedir providência ao Ministério Público, políticos e autoridades, por um problema que aflige a população de Juazeiro, em especial ao Bairro Expedito de Almeida Nascimento, (Loteamento Terras do Barão), que é o bairro ao qual resido.  Com a queima da cana-de-açúcar da Empresa Agrovale é liberado no meio ambiente uma partícula chamada FULIGEM, uma matéria preta, gordurosa, na forma de diminutas partículas, oriunda da queima de combustível que se desprende e adere aos canos de chaminés e às superfícies em geral. Essa partícula está invadindo nossas residências todos os dias.

Pagamos para limpar nossas casas e 2, 3 horas depois se encontra tudo sujo novamente, sendo impossível viver dessa forma. Sem falar nos impactos sociais e ambientais que são causados por essas partículas. De acordo com estudos realizados por universidades paulistas, doenças respiratórias e circulatórias, tais como: asma, hipertensão, câncer de pulmão e até mesmo o raro câncer peniano, estão entre as consequências causadas por elas, além da fuligem ser o segundo fator humano causador do aquecimento global, depois do dióxido de carbono. Peço encarecidamente a atenção devida ao Ministério Público e demais autoridades. Até quando vamos ter que viver dessa maneira?

Breno Fonseca”

Deixe uma resposta