Lula apela a Temer que permita a volta de Dilma e dispute as eleições em 2018

michel-temer_lula

Lula também criticou o ministro das Relações Exteriores, José Serra, “Voltou o complexo de vira-lata”. / Foto: arquivo

Em discurso de cerca de 35 minutos para milhares de pessoas na noite de ontem (10), na Avenida Paulista, em São Paulo, o ex-presidente Lula criticou por diversas vezes o governo de Michel Temer e apelou ao presidente da República interino que “Por favor, permita que o povo retome o governo com a Dilma e participe das eleições em 2018 para ver se você vai ser presidente”.

“Não vou falar fora Temer porque, da minha parte, não fica bem. Temer, você é um advogado constitucionalista e você sabe que não agiu correto assumindo a presidência interinamente”, disse Lula ao fazer o apelo a Temer, que acusou de estar “fazendo um desmonte no país. Eles não querem governar, querem vender o país. Eles não sabem governar, só sabem privatizar”, disse Lula, falando em possíveis privatizações pelo atual governo.

Em outro trecho do discurso, Lula disse que Temer, em vez de cortar ministérios como o de Cultura e Direitos Humanos [que depois foi recriado], corte o da Fazenda. E justificou esta crítica:

“Não é possível não reconhecer a violência na periferia, a violência contra as mulheres, a violência contra os pobres, a violência espalhada por esse país e acabar com o Ministério dos Direitos Humanos. Se a solução desse país fosse diminuir ministérios, era melhor tirar o Ministério da Fazenda, do Planejamento e tantos outros e deixar os ministérios dos pobres e que cuidam da sociedade”.

Lula também criticou o ministro das Relações Exteriores, José Serra, dizendo ter visto sua entrevista esta semana na televisão : “Voltou o complexo de vira-lata. O ministro Serra reconheceu que o Brasil não pode se meter com coisas de países grandes, que temos que reconhecer nosso lugar, que somos países de Terceiro Mundo e que somos pequenos e pobres. Que quem tem que mandar são os americanos e europeus e que temos que ficar de cabeça baixa. Pois eu quero dizer ao Serra e aos que têm complexo de vira-lata neste país: quero dizer para vocês que eu aprendi na vida que não somos respeitados por sermos ricos ou grandes ou por termos bomba atômica. Aprendi que temos que ser iguais. Brasileiro não é inferior a americano”.

Com informações de Agência Brasil

Deixe uma resposta