Mais de 3,6 mil profissionais já foram convocados pela Ebserh para o combate à Covid-19; inclusive para Petrolina

O hospital universitário de Petrolina é administrado pela Rede Ebserh. (Foto: Internet)

O número de convocações de profissionais temporários para o enfrentamento à pandemia de Covid-19 nos hospitais universitários da Rede Ebserh, empresa que administra os hospitais universitários, já soma mais de 3,6 mil desde seu início, sendo que quase 600 já iniciaram suas atividades. Aliado aos profissionais que já atuavam nos hospitais e a outras ações da Ebserh – como investimentos em medicamentos, infraestrutura e equipamentos –, o reforço de pessoal possibilitou a oferta de mais de 1,5 mil leitos exclusivos para o atendimento e apoio a pacientes com Covid-19.

O diretor de Gestão de Pessoas, Rodrigo Barbosa, alertou para as próximas convocações, uma vez que a efetivação das contratações temporárias pode resultar em mais avanços. “Os candidatos devem estar atentos à publicação dos editais. É fundamental o comparecimento nas datas corretas e atenção à documentação exigida, para que possamos continuar garantindo atendimento à população brasileira nesse momento tão delicado”, afirmou Barbosa.

Com mais de 225 mil inscrições efetivadas, o processo seletivo emergencial da Rede Ebserh teve como objetivo formar cadastro reserva, com possibilidade de contratação temporária de aproximadamente 6 mil profissionais, de acordo com as necessidades dos hospitais. Não houve impacto aos concursos públicos em andamento, que continuam seguindo seus trâmites normais.

Foram autorizadas aproximadamente 900 vagas para médicos (nas especialidades de Medicina de Emergência, Anestesiologia, Clínica Médica e Medicina Intensiva), 1,4 mil enfermeiros (incluindo as especialidades de Terapia Intensiva e de Urgência e Emergência), 3 mil técnicos em enfermagem, 500 fisioterapeutas e 100 vagas para engenheiros (clínico e mecânico) e arquitetos, necessários para promover as mudanças estruturais exigidas para a acomodação de pacientes infectados pelo Covid-19.

Deixe uma resposta