Manifestação contra reformas termina em conflito e depredação na Esplanada

Manifestante protesta contra a reforma da Previdência, coberto pela fumaça de bombas lançadas pela PM do Distrito Federal

Depois de uma marcha pacífica em Brasília, do estádio Mané Garrincha até o gramado em frente ao Congresso Nacional , a manifestação organizada por centrais sindicais nesta quarta-feira (17) terminou em conflito com policiais e depredação na Esplanada dos Ministérios.

As centrais sindicais pediam o fim das reformas trabalhista e previdenciária e a saída do presidente da República, Michel Temer, além de eleições diretas para definir o sucessor, quando alguns grupos de mascarados provocaram a Polícia Militar, que reagiu com spray de pimenta, gás lacrimogênio e balas de borracha.

Por conta do conflito, o presidente Michel Temer editou decreto, determinando que as Forças Armadas garantam a lei e a ordem no Distrito Federal até o dia 31 de maio. A medida causou polêmica no Plenário da Câmara.

Manifestantes

Os trabalhadores que participaram do protesto são ligados às centrais sindicais e vieram de ônibus de várias partes do País. Segundo os organizadores, somaram 200 mil pessoas. A PM estimou em 35 mil.

Natália Souza, do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Araguari (MG), defendeu a realização do protesto. “A gente não tem que ficar dentro de casa somente reclamando do Brasil”, disse. “A gente está aqui para procurar por um Brasil melhor, para tentar tirar o Temer, porque, do jeito que está, não tem como continuar.”

Para Cleide Coutinho, coordenadora do Movimento Sem Teto em Salvador, os atos de vandalismo tiraram o brilho da manifestação. “Acaba dispersando as pessoas, acaba desfocando. Infelizmente, somos trabalhadores e trabalhadoras recebidos com gás lacrimogênio.”

Ação policial

Deputados da oposição que estavam no protesto afirmaram que a PM exagerou, teria jogado várias bombas na direção no carro de som e de manifestantes que não estavam mascarados. Os organizadores haviam recomendado que os manifestantes evitassem confrontos e também pediam calma aos policiais.

Para o líder do DEM na Câmara, deputado Efraim Filho (PB), a polícia fez o seu papel. “Se existiu manifestação legítima, houve também vandalismo, depredação e pichação de patrimônio público. A Polícia Militar reagiu, mas também foi agredida.”

Em nota, a PM do Distrito Federal informou que usou a força de maneira “progressiva” porque os manifestantes tentaram invadir o perímetro de segurança em torno da Praça dos Três Poderes.

Quatro pessoas foram detidas. Segundo a PM, um homem, ao tentar atingir um policial com um rojão, teve ferimento na mão, devido à explosão, e foi socorrido por outros manifestantes.

Deixe uma resposta