Miguel Coelho afirma em nota que serviços suspensos na prefeitura são devido a falta de pagamento da gestão de Júlio

(Foto: Blog Waldiney Passos)

O prefeito de Petrolina (PE), Miguel Coelho (PSB), emitiu uma nota convidando toda a imprensa para visitar, na tarde desta quinta-feira (5), às 14:30 horas, o prédio da prefeitura e conhecer o estado no qual se encontra a estrutura deixada por Júlio Lossio, o que impossibilita o bom funcionamento de alguns setores. Segundo a nota, todas as secretarias  se encontram com as linhas telefônicas cortadas.

Confira a íntegra da nota

A Prefeitura de Petrolina informa que alguns serviços da administração municipal estão suspensos devido à falta de pagamento ou manutenção, que deveriam ser realizados pela gestão anterior. No prédio da prefeitura e em todas as secretarias, por exemplo, os telefones estão cortados e a estrutura encontra-se deteriorada, impossibilitando alguns setores de desempenharem suas atividades com excelência.

A Controladoria Geral e a Secretaria da Fazenda, por exemplo, determinaram que o expediente será apenas interno até o dia 12 deste mês, sem atendimento ao público em geral, com exceção do setor para pagamentos de tributos, que funciona normalmente. A decisão foi tomada considerando que a gestão administrativa anterior deixou de repassar  documentos pertinentes à área de pessoal, de patrimônio, e ainda da área financeira que seriam de vital importância para esta gestão diagnosticar os problemas de cada setor e assim estabilizar o atendimento à sociedade. Diante disso, é importante proceder uma auditoria nas contas da Prefeitura Municipal de Petrolina, a fim de identificar a real situação das contas para garantir o normal funcionamento dos setores.

Para que a população tenha conhecimento da situação, o prefeito Miguel Coelho convida a imprensa para uma visita in loco ao prédio da prefeitura municipal, nesta quinta-feira (5), às 14h30. Mesmo diante das dificuldades, é importante destacar que a gestão vem trabalhando para sanar os problemas o mais rápido possível“.

Deixe uma resposta