Militantes do Levante Popular da Juventude denunciam agressões após debate na Uneb de candidatos a prefeito de Juazeiro

(Foto: ASCOM)

Militantes realizam manifesto durante debate em Juazeiro (BA). (Foto: ASCOM)

Os militantes do Levante Popular da Juventude afirmaram que foram agredidos por seguidores de alguns candidatos a prefeito de Juazeiro (BA) após o último debate entre os candidatos realizado na Universidade do Estado da Bahia (Uneb). Em nota, o grupo afirma que “no auge da ação, correligionários dos candidatos e partidos começaram atacar verbalmente e fisicamente os quatro militantes que participavam do escracho”. Confira a íntegra da nota:

“PORQUE ESCRACHAMOS OS GOLPISTAS EM JUAZEIRO?

No dia 13, o Levante Popular da Juventude do Vale Do São Francisco escrachou três dos quatro candidatos à prefeitura da cidade de Juazeiro-BA, Joseph Bandeira (Solidariedade), Charles Leão (PPS) e Márcio Feitosa (PRP) por representarem todo o retrocesso que o golpe instalado vem ocasionando nos país.

Escrachamos esses candidatos porque eles representam toda a articulação do golpe no Brasil e o governo ilegítmo de Michel Temer. O golpe impacta diretamente a cidade de Juazeiro, atingindo programas como o Bolsa Família, FGTS, Previdência Social, Prouni, FIES, PRONATEC e uma série de medidas que possibilitaram o mínimo de avanço da classe trabalhadora brasileira. Durante o momento de consumação do golpe, é tarefa de todo o povo brasileiro denunciar os golpistas que insistem em se manter no poder nacional e localmente.

No momento em que os militantes interviram na fala dos candidatos lendo a carta de repudio aos golpistas, imediatamente foram silenciados e expulsos do espaço pela organização do evento. Logo após o termino do debate, os militantes continuaram a intervenção na porta do auditório Antonio Carlos Magalhães no DTCS do campus III da UNEB. Segurando cartazes com fotos dos candidatos e gritando “fora golpistas”. No auge da ação, correligionários dos candidatos e partidos começaram atacar verbalmente e fisicamente os quatro militantes que participavam do escracho.

Não nos calaremos diante da postura dos golpistas que cada vez mais tentam tirar proveito e se promover através do frágil momento político em que se encontra o Brasil. Exigimos um posicionamento da Universidade do Estado da Bahia sobre o acontecido e as medidas possíveis de identificação e punição dos agressores.

NENHUM VOTO EM GOLPISTA! FORA TEMER!”.

Deixe uma resposta