Mulher é mordida durante resgate de um gato de rua e é internada com suspeita de ‘raiva humana’ no Recife

(Foto: Ilustração)

Uma mulher foi mordida no peito por um gato de rua quando fazia o resgate do animal no bairro Boa Vista, em Recife. Ela está internada com suspeita de raiva humana no Hospital Universitário Oswaldo Cruz (Huoc), no Recife. A infecção tem taxa de mortalidade de praticamente 100%.

A empresária Adriana Vicente da Silva, de 35 anos, é dona de um pet shop, localizado no bairro da Boa Vista. E recebeu um pedido de ajuda, de outra mulher, para o resgate de um gato de rua.

“Uma mulher foi ao pet shop e a chamou pra resgatar o gato, mas ela já tinha sido mordida e não falou nada”, disse o irmão de Adriana, Carlos Ericksson, que também informou que a Vigilância Sanitária procura por essa mulher, que teria ido ao hospital onde a vítima está internada.

Segundo a irmã gêmea de Adriana, Juliana Vicente, a vítima foi mordida há dois meses e não buscou um posto de saúde para tomar a vacina antirrábica. O gato estava na Praça Oswaldo Cruz, que fica perto do pet shop, também na região central do Recife.Adriana deu entrada no Huoc, no bairro de Santo Amaro, no Recife, no fim de semana. Foram realizados exames para confirmar a infecção, que possui taxa de mortalidade de praticamente 100%. O quadro dela é considerado gravíssimo. A mulher está no pavilhão Professor Rinaldo de Azevedo, na ala de isolamento adulto do Departamento de Infectologia do hospital.

O Hospital Oswaldo Cruz confirmou a chegada da paciente com sinais de raiva humana e informou que ela deu entrada em avançado estágio de infecção. Por meio de nota, o Huoc informou que os exames necessários para o diagnóstico foram enviados ao Laboratório Central de Saúde Pública de Pernambuco (Lacen) e estão a caminho de São Paulo, onde serão realizados. Não há data específica para os resultados chegarem. “A paciente chegou já em estado muito grave e assim permanece, com alto risco de morte”, informou o comunicado.

O irmão conta que Adriana, após ser atacada, há cerca de dois meses, “lavou a mordida com água e sabão e tomou alguns remédios. Estava tudo bem até então”, disse Ericksson. Na terça da semana passada (20), porém, ela foi à Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Nova Descoberta com queixas de asma e dor no braço. “Lá, o médico passou um raio-x e dipirona”, comentou o irmão. Segundo Juliana Vicente, Adriana chegou ao Huoc no outro domingo, já entubada.

A médica intensivista Ana Flávia Campos confirmou que o caso de Adriana é muito grave e lamentou o adoecimento, já que houve imprudência da paciente, que não buscou a profilaxia.

Fonte FolhaPE

Deixe uma resposta