‘Não gostaria de ser órfão de um pai assassinado’ diz filho de Teori Zavascki

(Foto: Reprodução/RBS TV)

Relator dos processos da Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF), o ministro Teori Zavascki vinha demonstrando “preocupação com o que tinha para acontecer” por conta das informações a que teve acesso, diz Francisco Prehn Zavascki, filho do magistrado. Teori, que morreu nesta quinta-feira (19) na queda de um avião em Paraty (RJ), estava prestes a homologar a delação premiada de ex-executivos da empreiteira Odebrecht, envolvida no esquema de corrupção na Petrobras.

“Ele demonstrou bastante preocupação com o que vinha. Ele realmente estava muito preocupado com o que tinha para acontecer. Ele teve acesso a informações que tinham deixado ele bastante preocupado com o futuro das coisas”, afirmou Francisco, em Porto Alegre, na manhã desta sexta-feira (20).

O filho do ministro do STF diz que, em conversa recente, o pai não falou sobre particularidades das delações. Francisco lembra que Teori era uma pessoa reservada e que tinha todo o processo da Lava Jato na cabeça.

“Ele não entrou em detalhes, só realmente demonstrou preocupação. Por isso, ele queria fazer [a homologação] o mais rápido possível, dar início às investigações e cumprir o papel dele. Ele tinha todo o processo na cabeça. Toda a estratégia de como seguir daqui a diante. Acho que se perde uma quantidade de informação muito grande”, afirmou.

Agora, a homologação das delações premiadas pode sofrer atraso até que seja designado um novo relator para tratar dos processos contra políticos no Supremo Tribunal Federal.

Indagado a respeito das especulações sobre a morte do pai, Francisco afirma que “seria leviano” fazer qualquer conclusão, e deixa para a investigação concluir as circunstâncias da queda do avião. Entretanto, afirmou: “não gostaria de ser órfão de um pai assassinado”.

“Seria muito ruim para o país, extremamente pernicioso, que se imagine que um ministro foi assassinado. Que um juiz, seja ele de primeira instância, seja ele do Supremo Tribunal Federal, seja assassinado por causa de um processo que julgue”, afirmou para, então, finalizar com a afirmação que “eu torço para que tenha sido uma fatalidade, que tenha chegado a hora dele”.

Com informações do G1

Deixe uma resposta