Nomes fortes que disputam a presidência da Câmara Municipal de Petrolina

Disputa pela presidência da Câmara Municipal de Petrolina pode ser uma das mais acirradas dos últimos anos/ Foto montagem Blog Waldiney Passos

Vencida a batalha da eleição para vereador, agora é a vez da disputa pela presidência da Casa Plínio Amorim. E a guarra já começou nos bastidores com a movimentação siliciosa que sempre marca a cooptação por votos nestas ocasiões.

Vários são os nomes que se apresentam neste cenário:

Presidente por três vezes da Câmara Municipal de Petrolina, Osório Siqueira (PSB), o vereador mais votado na última eleição, não esconde o jogo e afirma está novamente no páreo. Ele tem quebrado paradigmas no legislativo local tendo sido responsável na atual legislatura pela aprovação da reeleição para mesa diretora. Bem articulado, Osório garante já contar com a apoio de alguns pares.

“A maioria me aceita porque eu escuto a opinião dos vereadores”, disse.

Mas a disputa não será fácil, correndo por fora a vereadora Maria Elena (PSB), segunda mais votada no último pleito e que também já presidiu à Casa, está se movimentando em busca de apoio. A seu favor pesa o fato de ter sido uma presidente de pulso, sobretudo, na condução dos trabalhos durante as sessões plenárias.

Outro que também já esteve à frente do Poder Legislativo Municipal é o vereador Ruy Wanderley (PSC). Eleito novamente após passar duas legislaturas fora da Câmara, Ruy se credencia por ser um politico habilidoso e que  valoriza os servidores da Casa.

Mas têm ainda os vereadores José Batista da Gama (PDT) e Ronaldo Cancão (PTB),  que apesar de nunca terem presidido a Câmara sonham com essa possibilidade. Ambos são experientes e trabalham com esse objetivo.

Como observamos, não há nenhum nome da futura bancada da oposição cogitado até o momento para disputar a Mesa Diretora da Câmara Municipal de Petrolina, mas nessas eleições tudo pode acontecer, a falta de entendimento entre os vereadores supracitados pode resultar no fortalecimento de outros nomes tanto da situação quanto da oposição.

 

Deixe uma resposta