Odacy Amorim defende direitos das famílias que residem no Projeto Pontal

De acordo com o deputado, “Essas pessoas não têm tradição em ocupar terras”. (Foto: Internet)

O deputado estadual Odacy Amorim (PT/PE) proferiu discurso nesta segunda-feira (05), na Assembleia Legislativa, tratando da possibilidade de despejo das famílias que residem no Projeto Pontal. O parlamentar informou que os trabalhadores rurais estão ocupando o prédio da Codevasf, em Petrolina, em protesto contra o pedido judicial de reintegração de posse movido pela empresa e acatado pela Justiça.

Odacy ressaltou a gravidade da situação e apresentou sugestões que possam solucionar a questão. “Essas pessoas não têm tradição em ocupar terras. Elas trabalham com unhas e dentes para que as coisas aconteçam. Sugiro que seja nomeada uma comissão de deputados para que verifiquemos o que está acontecendo no Projeto Pontal, porque temo que possa ocorrer uma tragédia, pois as famílias se fixaram no local, produziram e valorizaram o espaço, investindo inclusive os seus poucos recursos. Sugiro ainda, se for o caso, a concessão de terras irrigadas aos agricultores como alternativa à remoção ordenada pela Justiça. O que não se pode é permanecer esta ideia de que as pessoas da caatinga só possam cuidar da terra seca”.

Segundo o deputado, as famílias que atualmente ocupam o espaço, de oito mil hectares às margens do rio, foram desapropriadas de seus lotes em 2013, com a promessa de que poderiam retornar à área quando concluída a implantação do projeto.

A obra, no entanto, licitada no modelo de parceria público-privada (PPP), não teria avançado porque a empresa vencedora do processo não conseguiu investir o prometido. Os agricultores então retornaram à região e passaram a produzir no local.

“Não há justiça no fato de retirar estas famílias das terras que tanto cuidaram justamente no momento em que chega toda a infraestrutura necessária. É preciso respeito com o sertanejo, que deposita todo o seu tempo, recursos e vontade na produção agrícola”, lamentou o deputado.

Deixe uma resposta