Operação Lava Jato completa dois anos de investigação e punição de envolvidos

Operação Lava Jato

A Polícia Federal apresentou recentemente novos números da maior investigação contra corrupção e lavagem de dinheiro na história do Brasil que completa dois anos neste mês de março. A Lava Jato, coordenada pelo juiz federal Sérgio Moro, já acumula 24 fases em sua alçada e mais de 1,1 mil procedimentos investigados.

Em sua última ação, a Polícia Federal mirou no ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para investigar a sua relação (e de seus familiares) com empreiteiras envolvidas no esquema de corrupção.

A suspeita é que o ex-presidente tenha recebido vantagens ilícitas, como um apartamento, reformas e imóveis novos.

Já na primeira tarefa deflagrada pelos agentes federais, em 17 de março de 2014, a PF cumpriu 91 mandados de busca e apreensão e 10 de prisão temporária.

De lá para cá, executivos das mais importantes empreiteiras do país foram presos, como o ex-presidente da Odebrecht, Marcelo Odebrecht, condenado recentemente a 19 anos de prisão, a residência do presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha, foi vasculhada, e, por fim, a delação do senador Delcídio do Amaral, que acusa a presidente Dilma Rousseff (PT) de ter interferido no curso das investigações.

O vai e vem que embarca cada vez mais envolvidos no grande esquema de desvio de dinheiro na Petrobras também rendeu asas para a criatividade.

Desde que o esquema bilionário foi deflagrado, uma série de codinomes envolvendo os investigados foram descobertos pelos agentes da polícia.

É o caso da doleira Nelma Kodama, que para evitar que fosse descoberta, se identificava como Angelina Jolie nas trocas de mensagens com o doleiro Alberto Youssef.

25ª fase da Lava Jato

A Polícia Federal deflagrou na manhã de hoje (21) a 25ª fase da Operação Lava Jato – Operação Polimento, para dar continuidade às investigações de crimes de corrupção e lavagem de dinheiro, dentre outros praticados por diversas pessoas, no contexto do esquema criminoso revelado e relacionado a PETROBRAS S/A.

Investigadores da Polícia Federal e do Ministério Público Federal de Curitiba acompanharam autoridades portuguesas no cumprimento da prisão de Raul Schmidt Felipe Junior e no cumprimento de mandado de busca e apreensão, na residência d Schmidt, em Lisboa/Portugal.

Ele é investigado pela Lava Jato desde a 10ª fase e tido como sócio de Jorge Zelada. O investigado permanecerá preso em Portugal, enquanto é analisada a possibilidade de extradição.

O compartilhamento de provas colhidas hoje auxiliarão os trabalhos desenvolvidos pela equipe da Lava Jato no Brasil.

Com informações da Polícia Federal e Exame.Com

Deixe uma resposta