Opine: criança interage com homem nu no Museu da Arte Moderna

Segundo o MAM, a performance aconteceu apenas uma vez, em sessão fechada para convidados. (Foto: Intenet)

A arte tem passado por processos de modernização, ao menos é o que os novos artistas alegam ao apresentar suas performances. Em uma demonstração dessa nova arte, uma criança interage com um homem completamente nu na abertura do 35º Panorama da Arte Brasileira, no Museu de Arte Moderna (MAM), em São Paulo, nesta terça-feira (29).

O vídeo do momento artístico tem circulado nas redes sociais e recebido diversas críticas. No vídeo é possível perceber o artista fluminense Wagner Schwartz deitado de barriga para cima e com a genitália à mostra. Como as imagens mostram o rosto da criança, o blog não vai publicar o vídeo.

Na performance, o artista se posiciona completamente nu em uma espécie de tatame e, então, pode ser manipulado pelos espectadores. A menina toca na canela e nos pés de Schwartz e depois sai engatinhando do espaço, e volta a assistir à performance. Ela está acompanhada de uma mulher adulta – segundo o MAM, sua mãe.

O deputado federal e pré-candidato à presidência do Brasil, Jair Bolsonaro, criticou a ação em sua página no Facebook, quando compartilhou o vídeo com uma traja preta escondendo as partes íntimas do artista. “Cenas que revoltam… uma criança é estimulada a tocar homem nu ’em nome da Cultura’. Coloquei a tarja no vídeo em respeito a vocês. CANALHAS, MIL VEZES CANALHAS!”, diz a publicação de Bolsonaro.

A performance já foi apresentada anteriormente. Nas redes sociais, há registros de uma apresentação em Salvador, no Goethe-Institut, em que uma outra criança, que aparenta ser mais velha, também interage com o artista, tocando sua cabeça. Segundo o MAM, a performance aconteceu apenas uma vez, em sessão fechada para convidados.

Confira a nota emitida pelo museu

O Museu Arte de Moderna de São Paulo informa que a performance ‘La Bête’, que está sendo atacada em páginas no Facebook, foi realizada na abertura da Mostra Panorama da Arte Brasileira, em evento para convidados. A sala estava sinalizada sobre o teor da apresentação, incluindo a nudez do artista. O trabalho não tem conteúdo erótico ou erotizante e trata-se de uma leitura interpretativa da obra Bicho, de Lygia Clark, sobre a manipulação de objetos articuláveis.

As acusações de inadequação são descabidas e guardam conexão com a cultura de ódio e intimidação à liberdade de expressão que rapidamente se espalha pelo país e nas redes sociais. O material apresentado nas plataformas digitais omite a informação de que a criança que aparece no vídeo estava acompanhada da mãe, que participou brevemente da performance, e que a sala estava ocupada pelos espectadores. As insinuações de pedofilia são resultado de deturpação do contexto e significado da obra”.

4 Comentários

  • Luciano

    29 de setembro de 2017 at 14:00

    ….estava aqui pensando com meus botões…
    Mas o Brasil por ter FUNK, Carnaval… É um país muito FRESCO e cheio de pessoas frescas tb…
    Acredito que o limite de idade e a educação familiar, da forma que for feita pelos país, é que deve prevalecer…
    A maldade da nudez, está nos olhos de quem vê e de quem pratica a maldade…
    Pesquisem festival de fertilidade no Japão,
    Parada do Orgulho GLBT no Mundo,
    Quadros e esculturas renascentistas…
    Etc… Etc…
    Se vc tem a podridão em seus olhos, é problema seu.

    Responder
    • Diego

      8 de outubro de 2017 at 01:28

      kkkkk Luciano, estou aqui tentando entender o que você tentou expressar, e passa pela minha cabeça que no mínimo vc não deve ter filha ou filho, e nem tampouco conhecer o q é arte….comparar o renascentismo com isso é a maior infelicidade do seu texto. Leonardo da Vinci te daria surra de toalha molhada por comparar os estilos de arte, ou melhor, “arte”, pq aquele homem estirado nu no chão para mim não é arte, e sim um besta recebendo dinheiro para fingir que está com calor!

      Responder

Deixe uma resposta