Ordem Pública intensifica normas para comercialização de fogueiras no período junino

Para as pessoas que desejarem comercializar madeira para queima de fogueira, em vias e logradouros públicos, a Ordem Pública alerta que o exercício da atividade eventual nesses locais, depende de prévia autorização/Foto:arquivo Ordem Pública

Para as pessoas que desejarem comercializar madeira para queima de fogueira, em vias e logradouros públicos, a Ordem Pública alerta que o exercício da atividade eventual nesses locais, depende de prévia autorização/Foto:arquivo Ordem Pública

Durante este mês junino, a Secretaria de Ordem Pública vem intensificando as normas para a comercialização correta de fogueiras em vias e logradouro no município.

Para as pessoas que desejarem comercializar madeira para queima de fogueira, em vias e logradouros públicos, a Ordem Pública alerta que o exercício da atividade eventual nesses locais, depende de prévia autorização, que poderá ser obtida pelo comerciante na secretaria Executiva de Ordem Pública e Segurança Cidadã.

O secretário executivo de Ordem Pública e Segurança Cidadã, Jota Santos, reforça as orientações sobre a determinação de locais apropriados para comercialização da madeira.

“Locais como praças, ciclovias, vias de circulação intensa de veículos e de pessoas, assim como nos locais com proximidade a residência não é permitida a comercialização. Essas iniciativas demonstram a preocupação com o bem-estar das pessoas pela Gestão Julio Lóssio em épocas festivas da cidade”, ressalta.

“Existem na cidade alguns pontos possíveis de autorização e comercialização, a exemplo da Avenida Ulisses Guimarães, nas proximidades do CAIC, na Av. Monsenhor Ângelo Sampaio (no trecho próximo a rotatória do trevo), na Rua Santa Apolônia, (na área próximo a feira livre), nas laterais da Rodovia BR 428 (do trecho entre o bairro IPSEP até a Vila Macela), as laterais da BR 407( no trecho entre o bairro Quati ao Cosme e Damião), Avenida Mario Rodrigues Coelho ( no trecho contiguo ao bairro Cohab 6), Avenida Transnordestina( no trecho entre o contorno Asa Branca e o Posto Cacheado), são exemplos de locais permitidos “, pontua o secretário.

E ainda seguindo recomendações da secretaria, quem desejar comercializar esse tipo de material tem que estar atento para as questões de segurança e higiene com a via pública, tanto para quem reside no entorno dos locais utilizados, como para quem transita pelas vias e logradouros. Os locais ainda têm que dispor de espaço suficiente para estacionamento dos veículos de quem vai comprar o material, a fim de prevenir acidentes de trânsito. É obrigatório deixar alguém responsável pela madeira nos locais de venda.

Com informações da Assessoria

Deixe uma resposta