Osório repudia ação de movimentos sociais

Na última sexta-feira (30/6), o presidente da Câmara Municipal de Petrolina, Osório Siqueira (PSB), foi obrigado a encerrar uma importante audiência pública devido a invasão do plenário por integrantes de movimentos sociais que no mesmo dia realizavam no país manifestações contra a Reforma Trabalhista, a Reforma da Previdência, pela revogação da Lei da Terceirização e contra o governo do presidente Michel Temer (PMDB).

Apesar da legitimidade das manifestações, o fato pegou mal para os movimentos uma vez que naquele momento autoridades estavam discutindo um problema tão grave quanto os pleitos dos manifestantes, a crise por que passa o Rio São Francisco.

Sem pedir permissão, apesar da Câmara ser a Casa do Povo, mas como no plenário se encontravam muitas autoridades e pessoas interessadas na discussão de agravamento da estiagem e consequentemente as ameaças à sobrevivência do rio, os manifestantes ignoraram o debate forçando o presidente a encerrar a audiência devido a algazarra.

Osório ainda tentou explicar que o momento não era propício para este tipo de manifestação e mesmo tendo apelado para o vereador Gilmar Gilmar Santos (PT), não conseguiu controlar a situação.

“Isso é uma falta de respeito. Eles atrapalharam os trabalhos e o andamento da audiência sobre um assunto importante, que interessa a todos. A gente repudia a forma como foi feita pelos organizadores”, lamentou Osório.

 

Deixe uma resposta