Paulo Câmara recomenda que dissidentes do PSB “procurem outro rumo”

Paulo Câmara criticou desrespeito à orientação partidária e recomendou que dissidentes tomem “outro rumo” (Foto: Arquivo)

O governador Paulo Câmara endureceu o tom nos últimos dias contra os que insistem em manter o apoio ao governo Temer, mesmo após a decisão da direção nacional do partido de romper com a gestão do peemedebista. Segundo ele, o PSB é uma “voz crítica aos equívocos cometidos na condução do governo federal”, e cabe aos filiados que discordam dessa posição escolher outro rumo. “No PSB, há uma decisão majoritária de oposição, e não podemos concordar que filiados continuem a insistir no apoio a um governo que não tem compromisso com a população”, avisou.

Vice-presidente nacional do PSB, o governador fez os comentários após a justiça ter sustado temporariamente a decisão da direção nacional de expulsar quatro deputados dissidentes que apoiam o governo Temer. Entre eles, o ministro de Minas e Energia Fernando Coelho Filho (PE), desafeto do PSB local. Segundo Câmara, um partido tem que ter uma visão conjunta, da qual compartilhem todos os seus filiados, e a visão do PSB.

Para Câmara, o governo Temer não prioriza questões fundamentais, como a atenção aos estados mais pobres, nem tem políticas públicas que cheguem a todos os brasileiros. “É um governo que se preocupa mais com sua sobrevivência política que com o bem estar da população”, reforçou.

Paulo Câmara esteve em Brasília na noite da segunda-feira (16), para participar da reunião da direção nacional que pretendia expulsar Fernando Filho, a líder da bancada federal Teresa Cristina (MS) e os deputados federais Danilo Forte (CE) e Fábio Garcia (MS), iniciativa que terminou frustrada pela liminar expedida pelo juiz Hilmar Castelo Branco Raposo Filho, da 21ª Vara Cível do Tribunal de Justiça do Distrito Federal (TJDF). O governador, porém, lembra que o efeito suspensivo é temporário, e que o partido já marcou para o dia 27 próximo nova reunião que deve desfechar o processo de expulsão dos dissidentes.

Deixe uma resposta