Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!

Petrolina se torna referência na luta contra o trabalho infantil

Com o sucesso do programa, Salvador já planeja adotar o modelo de combate ao trabalho infantil. (Foto: ASCOM)

Respeito à infância. É assim que um projeto desenvolvido pela Prefeitura de Petrolina vem combatendo o trabalho infantil através de atividades lúdicas que já resgataram dezenas de crianças.

O projeto ‘Petrolina diz não ao trabalho infantil’ é desenvolvido através da Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos e vendo sendo aplicado nas feiras livres da cidade onde as crianças ganharam a chance de conquistar uma infância feliz.

Com objetivo de reduzir a vulnerabilidade destas crianças, equipes da prefeitura promovem ações educativas através de panfletagens, atividades lúdicas, aulas de capoeira, além de outras ações para conscientizar feirantes e toda a comunidade contra a exploração do trabalho infantil.

A coordenadora de Ações Estratégicas do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil, em Petrolina, Mara Marilac, lembra que o objetivo é estimular crianças e adolescentes para outras atividades voltadas ao desenvolvimento educativo.

“Nosso maior desafio é afastar as crianças e adolescentes das piores formas de trabalho infantil, e para isso, estamos estimulando elas a perceberem outra realidade através das nossas brincadeiras. Além de despertar estas crianças para sua infância nós também conseguimos o apoio de muitos feirantes que estão sensíveis à causa e já colaboram com nosso trabalho”, destaca.

Reconhecimento

O projeto tem dado tão certo que chamou atenção do Ministério Público (MP) em Salvador que já planeja adotar o modelo de combate ao trabalho infantil na capital baiana. De acordo com a secretária de desenvolvimento social e direitos humanos de Petrolina, Kátia Carvalho, os representantes do MP entraram em contato com a equipe da prefeitura para trocar experiências e replicar o trabalho petrolinense na Bahia.

“Nós tivemos a grata surpresa de ver este trabalho reconhecido.Representantes do Ministério Público de Salvador já entraram em contato conosco solicitando o projeto para implantá-lo na capital baiana e isso nos deixa muito satisfeitos em saber que nosso trabalho tornou-se referência no combate ao trabalho”, disse a gestora da pasta. Atualmente o projeto atende cerca de 50 crianças da feira livre do bairro Areia Branca, mas a ação será levada, gradativamente, a outras comunidades de Petrolina.

Deixe uma resposta