Política de atenção à população indígena avança em Cabrobó

(Foto: ASCOM)

O prefeito de Cabrobó Marcílio Cavalcanti (MDB-PE) tem procurado assistir com ações, atenção e políticas públicas, uma das principais tribos indígenas do estado. “Ainda falta muito, mas temos tido um olhar diferenciado, chegando com mais atenção, cuidados e com ações importantes do nosso governo para essas o povo indígena do nosso município”, frisou o prefeito.

Os serviços de melhoria atingiram comunidades como a Ilha de Assunção, onde vivem mais de 6 mil índios da tribo Truká, o que demonstra a seriedade da atual administração com a população indígena local.

Essa atenção é observada na própria estrutura administrativa da Prefeitura quando foi criada a Secretaria de Assuntos Indígenas. Uma pasta só para implantar as políticas públicas voltadas para o povo Truká. A secretaria tem à frente o secretário Ademar Gavião, um dos líderes da tribo no município.

“Neste governo, especialmente o povo e os índios apostaram muito em Marcílio. Graças a Deus ele está retribuindo. Faltam algumas ações que demandam utilização de máquinas, mas ele vem cumprindo com as promessas dele como estradas, poço, broca, isso ele está resolvendo”, afirmou Ademar.

A política social também vem sendo ampliada através do Cras Indígena, localizado na comunidade Ilha de Assunção, onde se concentra a tribo Truká. “Estamos correndo atrás de muitas ações junto com o prefeito. Digo que 70% das demandas já conseguimos atender e creio que até o final do ano, vamos concluir os 30% que faltam, sempre buscando o melhor para a população indígena aqui em Cabrobó”, acrescentou o secretário.

O secretário reiterou a atenção que o prefeito tem dado ao povo Truká desde o começo do governo e considera positivo o trabalho que a administração municipal realiza na comunidade. “O prefeito Marcílio não mede distância para ajudar o povo Truká. Sei que a garra e a vontade que ele tem em nos apoiar, isso vai continuar. É só de melhor para melhor. Ele é muito querido por nosso povo”, assinalou Ademar Gavião.

Deixe uma resposta