Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!

Pré-candidata a deputada estadual, Lucinha Mota tem segurança pública como principal bandeira

(Foto: Blog Waldiney Passos)

O lançamento das pré-candidaturas do PSOL de Petrolina aconteceu na noite do domingo (20) e quatro nomes estão à disposição do partido no município. O destaque é Lucinha Mota, que inicia sua jornada política motivada pela morte de sua filha, Beatriz Angélica.

Antes de sua fala, o PSOL municipal fez uma introdução sobre a luta de Lucinha pela solução do Caso de Beatriz. Emocionada, ela deixou claro que a decisão de tentar uma candidatura a deputada estadual foi tomada em conjunto com os grupos “Beatriz Clama por Justiça” e “Somos Todos Beatriz”.

LEIA TAMBÉM:

PSOL de Petrolina lança pré-candidatos às eleições de 2018, entre eles Lucinha Mota

“Juntos decidimos se eu seria candidata ou não, foi unânime, todos concordaram. Eu teria que ter muito cuidado em qual partido eu iria entrar e eu decidi entrar no PSOL, foi uma decisão minha. A decisão do partido foi uma decisão minha. É um partido que amanhã não vai me dar nenhuma rasteira, hoje eu estou lançando minha candidatura, mas nos partidos que existem no estado existem os conchavos e mais na frente iam me tirar, porque eu sou um problema pra eles, eu não vou parar“, frisou a pré-candidata.

Segurança pública

Em seu discurso, Lucinha fez questão de abordar a segurança pública em Pernambuco, sua principal bandeira como pré-candidata. O estado ocupa o quarto lugar no número de mortes violentas intencionais, de acordo com um levantamento – realizado entre 2013 e 2016 – do Fórum Brasileiro de Segurança Pública.

Falando em arregaçar as mangas, a pré-candidata destacou que irá até onde for necessário para fazer justiça, já que a solucionar a morte de Beatriz é sua motivação. “Sim, eu sou a mãe de Beatriz. Ouvi e estou ouvindo as pessoas dizerem que estou usando o nome de Beatriz. Estou e vou usar o nome de todas as outras crianças e jovens se necessário for, para o bem, porque pessoas de bem precisam ser ouvidas na política. A minha bandeira é segurança pública e vou bater de frente com aqueles que não têm interesse em resolver esse problema”, pontuou.

Deixe uma resposta