Prefeito de Juazeiro cita receio de lockdown e justifica endurecimento com comércio durante pandemia

O prefeito Paulo Bomfim realizou mais uma coletiva de imprensa nessa terça-feira (30) na sede da Prefeitura. Em rápidas palavras ele justificou o fato de ter estendido o fechamento do comércio não essencial para 12 de julho: a medida se faz necessária para analisar o avanço dos casos em Juazeiro (BA).

LEIA TAMBÉM

Fechamento do comércio de Juazeiro é prorrogado até dia 12 de julho

“O decreto eu mudei do dia 6 ao dia 12 [de julho], que é o tempo que a gente vai avaliar a abertura desses leitos de UTI e avaliar o aumento do crescimento desse vírus. Caso a gente consiga controlar, a gente pode [reabrir o comércio] ou controlar um pouco mais“, destacou.

Leitos na rede municipal e regional

Os leitos – 10 no total – citados por Bomfim foram anunciados pelo Governo da Bahia na semana passada. O governador Rui Costa (PT) visitou Juazeiro na segunda-feira (29) e se comprometeu a entregar mais 22 para a rede estadual. “Tínhamos uma conversa com o governador Rui Costa sobre a possibilidade de aumentar os leitos de UTI. Semana passada o governador anunciou que esses leitos seriam implantados no Hospital Promatre, eles já estão sendo implantados. Na vinda dele ontem, o governador anunciou que nós teremos mais 22 leitos de UTI no Hospital Regional”, explicou o prefeito.

Lockdown não está descartado

Bomfim criticou a população e parte de comerciantes os quais estão desrespeitando as medidas de distanciamento, inclusive descumprimento os decretos municipais. “Estamos analisando o dia a dia de nossa cidade, a evolução do crescimento desse vírus. Meu receio sinceramente é que precise fazer o lockdown, por isso que nós temos tomado essas medidas de enfrentamento. A Prefeitura sozinha não vai resolver o problema. As pessoas precisam entender a gravidade desse vírus“, afirmou.

Deixe uma resposta