Presidente da Chesf afasta risco de apagão e racionamento de água na região

GEDSC DIGITAL CAMERA

Foto Waldiney Passos

Acompanhado do Dr. Elder Falcão e Dr. Paulo Barbosa, respectivamente diretor de administração e chefe de gabinete da diretoria de operações da Companhia Hidroelétrica do São Francisco (Chesf), o presidente da Companhia, José Carlos de Miranda Farias, reuniu a imprensa na manhã desta quinta-feira (17), em um hotel no centro de Petrolina-PE, para comunicar que a partir da próxima segunda-feira (21), com a anuência e condicionantes do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (IBAMA), poderá, paulatinamente, reduzir a vazão da barragem de Sobradinho de 900 para 800 m3/s. Atualmente a vazão que está chegando no rio é de 1.500 m3/s, registrados ontem (16) na cidade de Xique Xique – BA.

José Carlos disse que as chuvas que caíram nos últimos dias foram suficientes para garantir a geração de energia da Chesf sem ameaçar o abastecimento de água para as pessoas e perímetros irrigados. “Se o reservatório atingisse o nível mínimo em que as turbinas podem operar, nós ainda teríamos 6 bilhões de metros cúbicos para atender aos outros usos, principalmente as partes de abastecimento humano e irrigação”.

O presidente ressaltou, no entanto, que apesar da situação hoje superar as expectativas negativas (a previsão era que até o final deste mês de dezembro a barragem deixasse de gerar energia), mesmo o lago estando com 1,86% acima do volume mínimo para geração de energia, a preocupação da companhia é de garantir água no futuro já que não se sabe ao certo até quando continuá chovendo. “Como nós não podemos garantir que as chuvas vão continuar e como o nível de Sobradinho está baixo, é prudente que poupemos para termos mais água no futuro”.

Para não prejudicar as populações ribeirinhas José Carlos assegurou que a redução da vazante, que segundo ele não vai trazer nenhum dano ambiental à região, vai ser feita de forma gradativa. “Nós estamos fazendo todo um trabalho de comunicação, levantando todas as condicionantes, para que as populações se adequem a essa realidade”, pontuou.

A possibilidade de apagão foi descartada pelo presidente da Chesf apesar da região está passando pela pior seca dos último 18 anos devido ao fenômeno El Niño.

Deixe uma resposta